Sábado, 12 de Fevereiro de 2011
Eurico

Na Baixa do Porto há mais de 35 anos, a Musicarte ocupa agora os números 80 e 82, emprega perto de uma dezena de pessoas e é uma das maiores e mais concorridas lojas do género no Porto. Cebolo diz que o negócio corre bem e desvenda um dos seus segredos: os livros. Não os manuais que o tornaram célebre, mas os outros.

 

Conheci o Eurico há cerca de 15 anos num dos périplos pela baixa em busca de cordas, palhetas e quejandos. A Musicarte era logo a primeira. Saíamos na paragem da Pr. República e entrávamos por lá adentro, com ele sentado e o cão por ali deitado ao lado, às vezes a meio da loja, com um ar demasiado sossegado. O ambiente era sempre sinistro, com um cheiro a mofo que nos deixa logo desconfiados da qualidade dos instrumento e a humidade sempre a estalar as paredes e as caixas de cartão. Deixava-nos mexer em tudo. "No que não podem mexer também não conseguem". Ninguém gostava dele. Era o velho. Depois, mais tarde, já nem parávamos lá e seguíamos directamente para a Rua Formosa, que era onde tudo se passava - a cena urbana, enfim. Acho que houve ali um período em que aquilo não corria lá muito bem. Eu ia lá às vezes sozinho falar com ele. Fazemos anos no mesmo dia. Nunca se queixava muito, mas lá tinha os seus momentos do "isto agora é tudo uma cambada, só querem os Nirvanas e não sei quê".

Lembro de, em miúdo, ter aqueles livros para estudar teclas. Era uma seca. A malta queria era rock, agora cá tocar teclinhas mais a merda das músicas de bolso. Mais tarde, descobri que ele era O Eurico Cebolo. O mesmo que escrevia aquelas novelas grotescas maravilhosas que foi mostrando sempre num tom sarcástico demasiado delicioso para não se gostar daquilo. Da última vez que lá passei, aí há uns 3 anos quando saía de casa de uma amiga que por ali morava, não estava. "Foi tratar de uns assuntos ao Marquês. O que era? Diga o que precisa que aqui todos tratamos de tudo". Não tratam nada. Não tratam de nada com aquela coisa que distingue os homens: a magnitude. A do Eurico é uma magnitude popular, de bairro, serena e discreta. Sentei-me ao lado dela muitas vezes.


tags:

publicado por jorge c. às 13:03
link do post | comentar | partilhar

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds