Quarta-feira, 9 de Março de 2011
Mais demagogia

Tem sido o meu cavalo de batalha nos últimos tempos e por vezes chega a parecer uma obstinação. Acontece que não acredito que uma sociedade onde a demagogia reina tenha as melhores condições para evoluir democraticamente. A cidadania democrática não é compatível com a demagogia. Só que para travar esta batalha não posso ir a acompanhar o meu lado da trincheira ideológica ou partidária. Quero com isto dizer que não existe demagogia apenas quando é o meu opositor a cometê-la.

Foi isto que vimos nos últimos dois ou três dias a propósito de mais um comentário infeliz de Miguel Sousa Tavares, o mesmo que, como me lembravam no Sábado, disse um dia que os estudantes não queriam pagar propinas para poderem beber copos. Mas é bem feito. Aqueles que vão promovendo o protesto da geração à rasca vão confundindo os problemas da classe política com problemas de ética individual enquanto causa da sua situação concreta. Por isso, acabam por beber do próprio veneno ao serem comparados com aqueles imbecis que querem demitir a classe política. Demagogia com demagogia se paga.

Dir-me-ão que há gente no protesto que não confunde o que quer que seja e que só vai protestar porque está indignado. Mas eu não posso saber isso a partir do momento em que não há uma narrativa reivindicativa. O que há é um conjunto de reivindicações individuais sem representatividade.

Mas não foi isso que me trouxe aqui. Foi a demagogia de MST. Como é que alguém espera que o levem a sério quando o próprio, ao denunciar uma particularidade de um movimento, comete exactamente o mesmo erro? O que mais me intriga é como é que não tem noção que o que se está a dizer é, no mínimo, incoerente.

Aqui está um exemplo de um discurso contraproducente que se limita a ser sobranceiro por ser pouco rigoroso, o que nada ajuda a um debate sério. Começamos todos a acusar o outro de demagogia usando demagogia. Primeiro começa por ser patético e uma pessoa vira só a cara e faz de conta que não ouve, só para não ter vergonha alheia. Depois, começa a ser preocupante porque deixa de haver capacidade de auto-crítica. E isso é o que mais falta nos faz: auto-crítica.


tags:

publicado por jorge c. às 13:45
link do post | comentar | partilhar

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds