Segunda-feira, 26 de Abril de 2010
A propriedade na esquerda

O discurso de José Pedro Aguiar Branco na sessão solene para celebrar o 25 de Abril na Assembleia da República tem recebido vários elogios dos partidários do bloco central. É natural. Aguiar Branco é um dos políticos que mais representa essa facção. Cheguei mesmo a dizer por aqui que era aquele que, bem compreendido, agradaria mais ao eleitorado tendencial do PSD, não obstante a sua falta de carisma. O discurso tem, no entanto, duas partes. Uma parte destinada a chocar e a confrontar um certo monopólio ideológico e uma outra parte a manifestar uma opção política marcando, ou tentando marcar, o território do PSD. Neste sentido estou totalmente de acordo com o que diz o Pedro Picoito. Uma coisa é tentar provocar o desconforto abrilista perante o conceito de liberdade, outra coisa é procurar a confusão ideológica.

 

O PSD é um partido que não sabe muito bem o que é. Há umas semanas atrás ouvi numa sede de concelhia o Presidente da Câmara do Marco de Canaveses, Manuel Moreira, dizer que a matriz ideológica do PSD era o centro-esquerda. Eu compreendo que esta conversa de saco seja comum em períodos eleitorais, mas tenho de discordar, lamento. Daí que aquilo que o Pedro Picoito diz em relação aos "conceitos ideológicos" faz todo o sentido.

 

Já em relação à parte da confrontação com o monopólio da revolução, Aguiar Branco tocou num ponto bastante importante que é o paradoxo da liberdade que a esquerda propagandeia. Mesmo na esquerda mais moderna esse paradoxo existe em grande escala. Veja-se o caso da distribuição de preservativos na visita do Papa ou as acusações de homofobia na discórdia com o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Esse é, aliás, o tema deste interessante texto na plataforma da direita moderna Modern Conservative. O mal-estar que isto provoca em certa mentalidade é grande porque denuncia uma tendência da esquerda moderna - o emocionalismo burguês na ideologia - e que conhece a sua origem no radicalismo do início do século XX que, felizmente, foi vencido pela sensatez.

 

No fundo, há muita gente que engoliu em seco. E daí se calhar não, tal é a dificuldade em retractarem-se. Estranho tempo este que vive a democracia.



publicado por jorge c. às 15:23
link do post | comentar | partilhar

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds