Segunda-feira, 28 de Março de 2011
E há quem diga que nunca foi boa, a canção de Lisboa

Em 2004 eu trabalhava para a agência que viria a fazer a campanha que opôs Santana Lopes a José Sócrates (legislativas de 2005). Para os profissionais brasileiros vale tudo quando se está em campanha, e nesse tudo coube a criação do blogue Portugays onde mais do que se insinuou a homossexualidade do candidato socialista. Não satisfeitos com isto, que a imprensa portuguesa da altura ainda mal espiolhava a blogosfera como depois veio a fazer, um dos marqueteiros melhor relacionados com os jornais do Brasil pediu a um camarada que colocasse uma notícia dando conta da alegada ligação entre Sócrates e Diogo Infante que, como é óbvio, passou para a imprensa deste lado do Atlântico.

 

7 anos passados de uma das maiores canalhices de que há memória na política portuguesa, esta história regressa agora contada por quem nela participou. 7 anos, já viram?

"Foi um amigo que me contou. Sei de fonte seguríssima, uma pessoa insuspeita. Isto sabe-se há imenso tempo, é público. Conheço uma pessoa que trabalha dentro da secretária dele que me garantiu que isto era a mais pura das verdades".

Nada melhor do que este cenário na coutada do macho ibérico sempre zeloso pelo conforto de rabiosques com curva para um final feliz e sempre atento à paneleiragem que nos suja as ruas com o deboche que determina a incompetência. Nada melhor para a velha Lisboa, a "vida da outra sussurrada entre os dentes" como na canção estafada de Jorge Palma. Entre um horóscopo ou outro lá salta um boatozinho sem querer. Mas ninguém quer ser apanhado a mentir, por isso há que dar credibilidade apresentando uma espécie de avalistas fidedignos sem ter de passar pela Consertvatória, pessoas que nunca chegaremos certamente a conhecer mas cujo estatuto desenhado pelo nosso boateiro não deixa margem para dúvidas. Em último recurso saltará um desesperado "eu vi!" e acabou a conversa. Que é lá isso, pôr em causa a palavra de um amigo? É a sua honra que está em causa!

A honra. Sempre a nossa, nunca a dos outros. E é precisamente por saberem isso que os marketeiros lançam a carne aos cães que, pouco treinados, nem olham para a sua origem. No supermercado não perdem a oportunidade de ver se o iogurte está em cima do prazo, sempre pode ser que se arranje um descontozinho. Agora, a dignidade e a honra de terceiros? A origem, a validade, são coisas que só reconhecemos por interesse e nunca por princípio. É a vida, amanhem-se.



publicado por jorge c. às 17:13
link do post | comentar | partilhar

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds