Quarta-feira, 13 de Abril de 2011
Um erro

Confesso que não acompanhei o congresso do Partido Socialista com atenção. Nunca é nada de verdadeiramente interessante, não apenas pelo PS ser um partido desinteressante, como também por já esperar a ostentação da propaganda interna e da ideia de que a culpa, em momento algum, é "nossa". O PS é um partido dissimuladamente sectário. Ao contrário do PCP que é assumidamente sectário e onde há uma absoluta submissão partidária, no PS passa sempre a ideia de "partido da democracia" e da pluralidade, o que de facto não acontece como bem se pôde constatar com a total falta de noção da realidade e da responsabilidade que o PS tem efectivamente na conjuntura actual. Os seus militantes e simpatizantes viraram-se para Meca. E isto é muito mais perigoso porque nunca sabemos o que realmente pensa o partido para além da propaganda e do spin.

Com o país a viver um período de instabilidade sócio-económica, negar responsabilidades governativas é uma postura com traços pouco democráticos e de um servilismo que não deve ser tolerável no debate político democrático. É claro que o PS tinha necessidade de se galvanizar e que este congresso seria importante para unir o partido para uma eleição para a qual sai bastante fragilizado, a avaliar pela opinião pública mais mediática. Isto não significa, porém, que um congresso inteiro seja dedicado ao principal partido da oposição como se os papéis da governação estivessem invertidos. A culpabilização de que falou, por exemplo, Luís Amado, não é o caminho. Faltou ao PS contrariar a falta de soluções. É que o PS também não as tem, não sei se todos reparámos. Muita emoção e amizade e coesão, mas definição de conteúdos: zero.

É verdade que a unidade parlamentar em torno do PEC falhou numa altura em que não poderia acontecer. Mas também é verdade que não há certezas sobre a boa-fé do Governo na natureza dessa crise política. Muito pelo contrário. Também não podemos esquecer que num cenário inicial de crise, sem sabermos muito bem o que se estava a passar, o Governo insistia em investimentos pouco seguros ou até despropositados face à nossa situação financeira. Tivemos, aliás, um ministro que em 2008 garantia que a crise já tinha acabado, como tivemos garantias de que estava tudo bem ao longo dos últimos dois anos. E quando o cenário se agravava havia sempre uma desculpa. Ainda há. Além disso, para um partido que se diz reformista e progressista, afastar ministros com a determinação política de Maria de Lurdes Rodrigues ou Correia de Campos diz muito sobre as suas reais intenções à volta dessas reformas e das suas prioridades. O Partido Socialista não é um partido de confiança. Luzes e barulho à parte, neste congresso deu para perceber isso mesmo. Votar no PS é um erro.


tags: ,

publicado por jorge c. às 08:47
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De +1 a 13 de Abril de 2011 às 13:04
O problema é que votar no PSD também o é.


De jorge c. a 13 de Abril de 2011 às 13:23
Assim o tenho dito por este blog fora, meu caro.


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds