Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011
Andy, are you goofin' on Michael?

A tarde foi abalada por uma notícia surpreendente: o fim dos R.E.M.. Surpreendente porque ninguém estava à espera que ao fim de 30 anos de carreira, aquilo que parecia uma instituição da música popular contemporânea, acabasse assim, abruptamente. Não tenho pena, confesso. Tenho mais pena da forma arrastada como iam passeando pelos discos, sem muito mais do que um esforço para ter material novo.

O caminho para a banalidade é assustador, porque fácil.

Lembro-me, porém, de um tempo em que ouvia o Automatic for the people todos os dias. Não todo. E, a grande maioria das vezes, uma só canção: aquela que me fazia sonhar com uma América que nunca poderia viver; a imagética de uma média-burguesia americana de tradição democrata mas, com uma evolução quase libertária-conservadora que víamos nas séries de televisão como Family Ties ou em filmes como On Golden Pond. Foi nessa canção que ouvi, pela primeira vez, falar numa das minhas maiores referências, o que daria, mais tarde, direito a um filme - Man on the Moon.

Dali, de onde eu estava, via nessa imagética a própria figura de Stipe, a figura de um burguês pretensioso, enjoado e imaturo. E gostava... a sério que gostava e gosto dessa figura que acabaria por escrever uma das mais belas canções de sempre - At my most beautiful - ou algumas das frases que mais sentido fizeram para mim em diferentes alturas das nossas vidas.

Nem todas como estas que, sempre que ouço, continuam a ter o mesmo efeito que tiveram por volta de 1994, quando as comecei a compreender, devagar: 

Moses went walking with the staff of wood. Yeah, yeah, yeah, yeah
Newton got beaned by the apple good. Yeah, yeah, yeah, yeah
Egypt was troubled by the horrible asp. Yeah, yeah, yeah, yeah
Mister Charles Darwin had the gall to ask. Yeah, yeah, yeah, yeah

Pois é.


tags:

publicado por jorge c. às 21:46
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De Pão Metálico a 23 de Setembro de 2011 às 13:55
»O caminho para a banalidade é assustador, porque fácil.«

Gostei.


De NanBanJin a 26 de Setembro de 2011 às 04:17
Já estavam há muito a viver o seu PREC (Processo de Rollingstonização em Curso), coisa má, má, mazinha.

Mas sejamos lúcidos: isso das bandas "acabarem" já acabou.
Quanto muito 'suspendem' actividade — quantas vezes é que uns New Order, por exemplo, já 'acabaram'? —, depois quando a conta começa a reclamar um aprovisionamentozinho, lá aparecem todos amigos outra vez, juntos a tirar o retrato para o 'press kit'.
It's business as ususal.

Abraço,

Luís Afonso, NBJ


De Reimberg a 26 de Abril de 2013 às 05:28


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds