Quinta-feira, 13 de Maio de 2010
Virtualidade real

Algo está podre no reino da internet. Não é de hoje, é certo. Os blogs, ou melhor, as caixas de comentários dos blogs já eram um espectáculo bonito de se ver. Mas, agora, com o crescimento das redes sociais e a facilidade de interagir e criar posts, uma realidade escondida manifesta-se de forma algo assustadora e alarmante. They're out there.

 

Tomemos de exemplo o Facebook, a rede social mais utilizada nos dias de hoje. Não é só a estranha ideia de fazer amigos ou misturar na mesma página pessoas do nosso meio familiar com pessoas do nosso meio profissional, não é só a exposição da nossa intimidade que reside no pormenor do comentário de um amigo visível a todos, nem a doença das vacas e dos morangos. Acima de tudo, o que mais preocupa no Facebook não é esse voyeurismo ou futilidade de comunicação, mas sim a demonstração de ignorância e a dimensão da demagogia social face à política.

 

Falamos de uma rede social onde todos os dias surgem centenas de grupos a que nos podemos juntar: o grupo de pessoas que odeiam Sócrates, o grupo de pessoas que ama Sócrates, o grupo de pessoas que quer a prisão imediata de Pacheco Pereira, o grupo de pessoas que gosta de criar grupos de pessoas, o grupo de portugueses que foi a IX Grande Feira Mundial, o grupo de pessoas que gosta de coçar a perna esquerda, o grupo de pessoas que odeia, que quer, que exige, que não admite, que mata e que esfola. Enfim, um conjunto de cidadãos, a grande parte maior de idade, que revela excesso de tempo e uma total falta de bom senso. A demagogia que sai desses grupos é tal que uma grande percentagem destas pessoas informa-se das situações a partir do Facebook. Veja-se o caso recente de Inês de Medeiros ou do Papa. A ignorância, o mais perfeito desconhecimento dos factos e o comportamento acéfalo das massas encontra aqui a sua maior montra de sempre.

 

Há uns meses, a propósito das eleições, criei com meia-dúzia de delinquentes, perfeitamente identificados aqui, um blog para o efeito, e a certa altura criou-se um desses grupos que ironizava uma situação em particular com uma protagonista de uma das campanhas. A piada durou dois dias, ou nem isso. Durou o tempo de começarem os comentários de ódio contra a pessoa em causa e até um jornal tomar o motivo do grupo como sério e fazer disso rodapé de primeira página. O disparate foi tanto que até por caixa de comentários nos quiseram entrevistar.

 

Com a sua falta de iniciativa e incapacidade de cidadania, muita gente encontrou nestes meios a forma de projectar as suas mais íntimas castrações. O uso dado às redes sociais deixou de ter a utilidade inicialmente pretendida e transformou-se num centro de loucura virtual. A difamação e a injúria e a inconsciência do efeito que o que se diz pode ter reinam. Os media, na sua habitual ignorância das novas ferramentas, começaram a apanhar tudo o que caía na rede sem colocar limites. É um espelho assustador do que anda por este país.



publicado por jorge c. às 13:44
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De joão gaspar a 13 de Maio de 2010 às 23:37
tenho saudades da vanessa.


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds