Terça-feira, 8 de Junho de 2010
A direita da causa perdida

Quando falo de diabolização da direita não estou a afirmar que esse é o mal do mundo. Digo apenas que é uma forma incorrecta e desonesta de discutir política.

Se essa forma é um tique da esquerda, também a direita tem tiques maus e que a fazem perder terreno no combate político. Um desses tiques é o moralismo apócrifo e um certo excesso de emotivismo político. Viu-se bem isto na discussão do casamento entre pessoas do mesmo sexo, onde não houve uma posição jurídico-institucional forte por parte da direita que, em vez disso, andou a pregar aos peixes sobre a anormalidade de uma relação homossexual e sobre a família tradicional. A direita perde a concentração nestes momentos e deixa-se levar por um conjunto de preconceitos que não são sequer relevantes na discussão. Se é uma relação jurídica que está em causa é nesse sentido que a questão deve ser discutida. Se é uma instituição que está em causa é nesse sentido que deve ser discutida. O plano subjectivo provoca a guerra identitária e isso sai fora do âmbito da direita.

Em rigor, a direita é institucionalista e comunitária. O seu espaço de discussão política não se pode confundir com as posições de pequenos grupos dentro desse bolo ideológico. O que esses grupos, por norma elitistas, provocam é a massificação de um pensamento político acéfalo baseado no ódio pelo próximo e na ignorância.

A tendência para a futilidade ideológica é, portanto, muito alta. Tal como aconteceu na esquerda dos anos 60, a direita acha agora que também é esteta e passou a desfilar com vaidade um catolicismo falso, fala no liberalismo com uma sofisticação serôdia e concentra as suas forças no combate à esquerda caviar em nome de um suposto conservadorismo. Ora, caviar de um lado e lata de atum disfarçada do outro, pelo menos comidinha não há-de faltar à rapaziada.

Falta-lhe, assim, o estudo e a concentração necessárias para uma conquista política relevante, baseada no espírito de preservação da comunidade, na defesa das instituições, no rigor jurídico, na aceitação e diversificação das relações sociais e jurídicas, na sustentação ambiental e cultural. Uma maior consciência da importância da comunidade e uma maior dedicação a esta fortalece a direita. O identitarismo estrangula-a.

Com efeito, a direita não tem de ser católica. Ela tem de defender o catolicismo na sua perspectiva cultural e institucional. Não tem de lhe obedecer aos cânones, mas sim suportar os costumes inseridos na cultura ao longo dos séculos. E quem fala no catolicismo fala também noutras questões como as forças policiais, o regime político e a natureza do Estado, em particular do seu povo.

O conservadorismo tem que ver com a sustentação actual e não a de há 40 ou 50 anos.



publicado por jorge c. às 12:20
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De NanBanJin a 9 de Junho de 2010 às 11:12
Só tenho a dizer que subscrevo em 100% o teor deste texto.
Um Grande Bem-Haja!

Meus melhores cumprimentos,
Do Japão,

NBJ


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds