Domingo, 13 de Junho de 2010
A política dos resultados

Um dos grandes trunfos do governo Sócrates foram sempre as estatísticas. Lembremo-nos todos que o Primeiro-ministro ainda é de uma geração (completar com frase mais conveniente). Certamente que essa geração de Sócrates nunca ouviu falar na subjectividade das próprias estatísticas e no relativismo das circunstâncias. As estatísticas não concluem nada, em rigor. Elas limitam-se a desenhar um quadro que pode estar viciado. Aliás, é grave quando se começa a trabalhar para as estatísticas e utiliza-se isso como um fim e não como um instrumento comum de análise. Mas Sócrates é apenas um exemplo desta forma errada de jogar com a política e com o desenvolvimento económico-social.

 

Hoje, pelas Universidades, pelas empresas e institutos há uma duvidosa política de resultados que domina os esquemas de gestão. Esta política dos resultados tem ferido a empregabilidade (tanto para quem está em início de carreira como para quem deixa de ter uma idade aceitável para o "factor concorrencial"), tem agredido a função social destas instituições e tem contribuído para uma cada vez maior falta de cultura solidária e de solidez moral dentro das comunidades.

 

Porém, não seria difícil explicar a uma criança de 8 ou 10 anos que o resultado em papel pode não significar uma solidez da fórmula, pode ter um erro de cálculo, como uma trapalhada, como pode ainda ser intempestivo. Uma criança perceberá isso com facilidade se lhe explicarmos com exemplos práticos como a arrumação do quarto, a batota nos testes, entre muitas outras coisas. Chamamos a isto a formação de carácter, onde ela aprende a não enganar, nem aos outros nem a si própria.

Com os adultos só podemos acreditar que estão apenas a querer enganar terceiros. Enganar aqui significa ignorância e má-fé.

 

A política dos resultados é hoje aceite com uma facilidade que me custa a acreditar que anda toda a gente devidamente medicada e põe-me em dúvida pela minha segurança na rua, pela estabilidade do meu futuro profissional e pela educação dos filhos que, cada vez mais, penso seriamente em não vir a ter.



publicado por jorge c. às 18:26
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De Tiago Ferreira Marques a 13 de Junho de 2010 às 21:55
http://pressadechegar.blogspot.com/2010/03/vamos-saltar-da-ponte-de-vila-franca.html

pois é, revi-me mesmo na opinião.


De jorge a 13 de Junho de 2010 às 22:14
muito, muito bom. se não me tivesse desviado do 'caminho' procuraria também expressar a minha repugnância.
obrigado amigo jorge.

(e não, não posso parar de usar o teu nome)


De Tiago Ferreira Marques a 14 de Junho de 2010 às 12:27
O Jorge desta vez não foi o culpado... É que depois ele queixa-se de não ter amigos, e assim não ajudamos.


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds