Terça-feira, 28 de Setembro de 2010
Calimerice

Confesso que ainda hesitei antes de comentar aqui este post de Domingos Farinho. Não queria ser catalogado como um odioso opositor do Governo, por Deus, nem pensar! Mas esta calimerice chateia-me e, com o devido respeito, Domingos, isso foi de Calimero (nós, os iletrados, só sabemos relacionar com coisas menores como desenhos animados).

Não querendo alimentar qualquer polémica com o lado do bem, tudo aquilo me merece meia dúzia de palavras. Em primeiro lugar, torna-se cansativo esta teoria de que estão todos mal e só o Governo é que fala com clareza. Isso não é verdade. Mas parece-me ser um vício do pensamento político afirmar estafadamente que "vai toda a gente ao contrário, só o meu filho é que marcha bem".

Em segundo lugar, tendo em conta os dados a que vamos tendo acesso, e eu confesso-me um leigo em matéria económica, não me parece muito correcto entrar no discurso de que os comentadores é que alimentam isto, os jornais alimentam aquilo, a oposição é responsável por aqueloutro. Os índices de que vamos tendo conhecimento são também (vá lá, admitamos, só um bocadinho) uma causa da governação, senão o Governo não estava ali a fazer nada e estar ou não estar ia dar à mesmíssima coisa.

Em terceiro lugar, quando li aquela parte da "linguagem agressiva e hiperbólica, a ausência de fundamentanção, o excesso descredibilizante, a confiança cega nos aliados, a demonização total dos inimigos, a divisão do mundo entre aliados e inimigos", juro que achei que o Domingos se iria referir à quantidade absurda (isto não é uma hipérbole) de barbaridades que disseram de Manuela Ferreira Leite. Mas afinal não. O Domingos prefere pegar nisso e calimerizar mais um pouco o pobre Governo vítima de bulling político.

Por último, merece-me também um comentário a parte dos "iletrados". É provável que o Domingos viva num meio erudito. Mas o cidadão comum que não tem acesso a informação especializada vive muito da informação politizada, chamemos-lhe assim. Isso irá certamente determinar o seu juízo livre. A sensibilidade política do cidadão não depende de factores específicos, técnicos, mas da sua percepção da realidade segundo a multiplicidade de informação que lhe chega. E é hoje perfeitamente legítimo desconfiar da governação. O que não parece muito lógico é a vitimização do poder 5 anos e meio depois.


tags:

publicado por jorge c. às 20:54
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De MJM a 29 de Setembro de 2010 às 11:02
Brilhante !!!
Foi ontem ,é hoje e será amanhã perfeitamente legítimo desconfiar da governação,do que mostram, e do que nos dizem.
Qual dos governos até agora que não foram calimeros?
Qual dos partidos na oposiçao fizeram melhor?
É bom duvidar das estatisticas que todos eles(governos) nos bobardeiam para nos calar e acharmos que fazem sempre o melhor para o cidadão comum.
MJM


De Daniel João Santos a 29 de Setembro de 2010 às 22:47
Domingos Farinho? O mesmo que quando Sócrates apresentou este novo ataque aos mesmo de sempre, andava no Jugular a criticar a proposta de revisão do PSD analisando linhas irrelevantes?


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds