Terça-feira, 12 de Outubro de 2010
O culto do chefe

Independentemente dos cenários possíveis após a votação para o Orçamento de Estado, há algo que se torna cada vez mais evidente: há um vazio de potencial governativo em Portugal. O desgaste do Primeiro-ministro dá-nos a entender que é pouco provável que este aguente a legislatura toda. Confesso que acreditava que era possível, mas a situação agravou-se e Sócrates perdeu (ou pelo menos parece-me que perdeu) dinâmica de liderança.

É provável que dentro do PS surja uma crise identitária na era pós-Sócrates. Este não é um tema novo. Prevê-se que o PS passe pelo mesmo que o PSD passou depois de Cavaco. Tornar-se-á necessário eleger alguém para liderar os socialistas. Esta necessidade é um vazio de poder.

Concluímos com facilidade que o culto da personalidade dentro dos partidos provoca esse mesmo vazio. E é exactamente na disputa intra-partidária que ele nasce. Seja no PS ou no PSD, no PCP ou no CDS, todos os partidos sem excepção escolhem um líder e não uma comissão política e uma proposta de poder. É claro que, quando chegam as legislativas, os eleitores vão escolher o Primeiro-ministro, dando mais valor à figura que lidera do que ao conjunto de pessoas que patrocinam um projecto político. Veja-se que Passos Coelho até dizia há dias que não tinha pressa de se candidatar a Primeiro-ministro. A tendência para esta situação é tal, que o líder do PSD até se esquece que no sistema eleitoral português ninguém se candidata a Primeiro-ministro.

Perante este cenário real percebe-se a gravidade dos cenários hipotéticos de que falava no início e em todos os outros em qualquer outra circunstância. O sistema semi-parlamentar em que vivemos precisa de uma efectividade material. Para isso é necessário que o Povo o realize. O que acontece é que estamos a viver num sistema semi-presidencial onde existem, em rigor, dois presidentes. O enfraquecimento de um pela conjuntura financeira e de outro por questões formais das limitações ao seu poder - a proximidade das presidenciais e o impedimento de dissolução do Parlamento - faz com que se gere instabilidade na forma de executar o poder. Quando nos limitamos a substituir um deles não estamos a mudar nada, estamos apenas a contribuir para a decadência do sistema.

Seria importante que esta discussão fosse levada a sério dentro dos partidos. Receio que este meu desejo de nada valha, pois torna-se óbvio que a preocupação dos aparelhos é alimentar este sub-sistema cada vez mais dominante. A crise também passa por aqui.



publicado por jorge c. às 16:58
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De cjt a 12 de Outubro de 2010 às 18:40
completamente de acordo, de alto a baixo.
excelente análise.


De táxi pluvioso a 14 de Outubro de 2010 às 12:00
O povo precisa de líderes e eles surgirão, de acordo com esse próprio povo. É preciso ver que em 900 anos de História, não há nenhum que não se diga "benza a Deus", isto dá que pensar que, talvez, o problema não seja dos líderes, mas do "chão" (a maternidade) donde eles brotam. bfds


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds