Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011
Mau-gosto ou ofensa?

Não tinha dado conta de uma pequena polémica em torno de um programa da Sic Radical até ler este post de Estrela Serrano. Na altura não tive tempo de pegar no assunto, mas agora, depois de mais um regresso ao tema por Azeredo Lopes, parece-me necessário debatê-lo.

Confesso que hesitei de início com receio de ser enxovalhado pelo Prof. Azeredo Lopes por ter uma opinião relativa ao humor diferente da sua. Mas também é verdade que este blog pouca expressão tem e ser apelidado de ignorante não é nada a que não esteja habituado, pelo que decidi arriscar.

Depois de ler com alguma atenção o artigo do DN mencionado nos posts, tentei reflectir sobre os limites da liberdade, em redor do humor. Repare-se que não me estou a referir à deliberação da ERC, mas apenas a entrar num debate mais abstracto.

Não posso deixar de concordar com Azeredo Lopes quando este diz que há limites e que esses limites passam pela dignidade humana. Mas, não estaremos a entrar num vasto campo de subjectividade quando tentamos determinar esses limites em concreto? Melhor, não estará já a lei a proteger essas situações de ofensa no Código Penal?

Ao intervir nesta matéria a ERC corre o risco de abrir um precedente na ideia de censura prévia, num estilo "tenham cuidadinho com o que dizem, respeitinho". Ora, para mim que sou um libertário do humor, os seus limites encontram-se precisamente no âmbito da difamação e do insulto. O mau-gosto humorístico não cabe neste pacote de ofensas porque objectivamente não difama, não insulta, apenas goza.

Vejamos alguns casos. Nos EUA, Andy Kauffman ficou célebre por gozar com os sulistas, com as suas idiossincrasias e hábitos sociais. Os judeus, incluindo Seinfeld, são os primeiros a utilizar o auto-sarcasmo como arma de humor. Fernandel celebrizou um tango dedicado aos corsos. E mesmo em Portugal, desde que me lembro, contamos anedotas ofensivas para determinadas identidades em público. Lembro-me também de um livro que passou cá por casa de "anedotas politicamente incorrectas" sobre judeus, aborígenes, mulheres, etc. É claro que se pode argumentar que estes são casos abstractos e o que Rui Sinel de Cordes fez foi individualizar. É discutível que seja mais grave - insisto, discutível.

Quero com isto dizer que há uma fronteira. Mas essa fronteira não se encontra certamente no mau-gosto. O sarcasmo não pode ser o lápis dessa fronteira. Porque senão muitos de nós que fomos alunos de Azeredo Lopes teríamos uma série de queixinhas a apresentar por sermos demasiado sensíveis ao seu sarcasmo.

Vejamos então a questão da reprovação. O mau-gosto de Sinel de Cordes é muito, principalmente por não ter piada e cair numa absoluta banalidade humorística. Mas a reprovação subjectiva do seu humor não pode ser uma iniciativa de uma entidade reguladora. A cobardia ainda não entrou no léxico legislativo e jurídico. Entramos novamente na questão da subjectividade. A reprovação compete ao público que pode ver ou não humor no que está a ser feito. É reprovável e criticável do ponto de vista dos costumes e não da percepção estatal. O Estado não pode andar a proteger a susceptibilidade dos cidadãos com tal puditismo, senão cai no erro de tirar o cachimbo ao Sr. Hulot, impedir publicidade com senhoras e senhores em trajes menores, proibir os palavrões na televisão. É um precedente, não restem dúvidas. Ele está a interferir na linguagem criativa e na liberdade de escolha e de consequente reprovação do público.



publicado por jorge c. às 11:43
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De andrecruzzz a 5 de Janeiro de 2011 às 17:26
gostava de ver o programa em questão, a sério que gostava.
é q gozar com o desaparecimento(algo recente apesar..) de uma criançã(o rui ) segundo já li, raia o inqualificável. é uma pulhice. Se eu fosse pai, acredite q o humorista em questão um dia desses daria por mim...
é óbvio q longe de mim também querer dar poderes iluminados a aos reguladores ex-machina!!
o humorista nem sequer é corajoso nos alvos (o jel é que é pá ou...era..ou já foi).
depois temos uma merda de imprensa em todos os sentidos: ainda nao acredito em como este caso nao foi explorado. a maioria dos ofendidos nem sequer saberão disto.
em condiçoes normais, teria havido uma certa indignação geral e alguma coisa teria mudado.
no mínimo um "bruáaá" parecido c o caso ensitel..


p.s.: se os alvos do humorista tivessem acontecido em lisboa como teria sido?? provavelment nunca teria sido sequer gravado


De Agata a 6 de Janeiro de 2011 às 16:12
O programa é todo ele imbecil. este episódio não vi - o que, ao que parece, foi uma sorte -, mas estou em crer que rebentou com a escala... não percebo qual é a dúvida. Bastou por 2 segundos colocar-me no lugar da mãe da uma das crianças desaparecidas... hello? qual terá sido o gozo dos responsáveis pelo programa/canal?


De Inês Meneses a 4 de Abril de 2011 às 13:32
Pode ser inqualificável, podemos não ver o programa e as pessoas directamente ofendidas podem processá-los. Nada disso justifica uma acção de censura vinda de cima e genérica.


Comentar post

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds