Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014
silêncio

Um pacto de silêncio que omite uma relação perversa que um indivíduo tem consigo próprio e com os outros não é algo que deva passar despercebido. Foi esse o pacto de silêncio que encobriu crimes de guerra, que encobre abuso sexual de menores, corrupção entre muitas outras questões que são, antes de mais, um problema que cada um de nós tem consigo mesmo. Em Nuremberga disseram que cumpriam apenas ordens.

A relação que o individuo tem consigo mesmo é um reflexo daquilo que ele acredita que a sociedade exige dele: integração, pertença, partilha de interesses e, fundamentalmente, sucesso ou reconhecimento inter pares. A questão que se levanta é se esta pressão do exterior está só na cabeça do indivíduo ou se ela existe, de facto, como uma imposição tolerada. 

Julgo que não é na proibição da praxe académica que está a solução para um problema maior. Mas, uma vez mais, depende das perguntas que quisermos fazer. 

 

 

Devo esta pequena discussão ao meu amigo e fiel interlocutor Eduardo Sardinha. 



publicado por jorge c. às 10:18
link do post | comentar | partilhar

Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds