Sábado, 7 de Maio de 2011
As Conferências do Estoril: final apoteótico

Gostava de vos fazer um pequeno balanço destes três dias de conferências sem ser demasiado exaustivo, não só porque a minha presença no evento era a de mero observador, mas também porque o importante nesta série de palestras e debates é retirar uma ideia geral daquela que pode ser a tendência global da linguagem política nos próximos anos, seja no contexto local, seja na perspectiva internacional.

Não poderei negar que assistimos à celebração do senso comum e do politicamente correcto. Há uma clara reverência à normativização da tendência social dos tempos, dos lugares comuns que vamos aprendendo na escola e que, atendendo à realidade nua e crua, não passam muitas vezes de um lirismo populista (expressão escolhida a dedo para espetar na ferida).

Do ambiente, à resolução de conflitos locais e internacionais, passando pela estratégia e liderança global e por modelos de desenvoolvimento sustentáveis, os conferencistas foram jogando as cartas do bom senso, não deixando em momento algum de limitar as suas intenções pela falta de vontade política. É este, também, outro cliché - a falta de vontade política - que é como quem diz "falta de vontade política is the new black".

Acredito que este spin funcionará e servirá a estratégia política dos principais actores mundiais para criar linhas de consenso, o que não é necessariamente bom. Pensar global e agir localmente não é algo que se ficar no papel ninguém notará. Não pensar global, não agindo ao mesmo tempo no nosso domínio, é frustrar as expectativas das comunidades e de cada cidadão. Isto parece-me bastante claro na forma como nos relacionamos hoje com o nosso maior instrumento de informação e divulgação: a internet.

Por isso, compreender a actual conjuntura cultural, social e económica é um passo importante, mas não o único para evoluir para uma nova narrativa civilizacional. É importante escrutinar cada um desses lugares comuns que os nossos actores políticos vão escolhendo para acompanhar o seu follow spot. Não restem dúvidas que é este o momento certo para uma melhor cidadania.

Poderei concluir com alguma facilidade que as Conferências do Estoril, bem espremidas, são paradigmáticas na forma como se deve conjugar algum lirismo social com o pragmatismo da real politik.

 

Para terminar, não posso deixar de agradecer o convite que me foi feito para assistir a esta excelente iniciativa da Câmara de Cascais. Um agradecimento muito especial à incansável Alda Telles e aos meus companheiros de jornada Francisco Silva e Alexandre Guerra. E já agora deixo-vos este link para uma pequena peça feita sobre a nossa participação enquanto bloggers.



publicado por jorge c. às 13:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Sexta-feira, 6 de Maio de 2011
Beat this


publicado por jorge c. às 17:52
link do post | comentar | partilhar

Villepin e os amanhãs que cantam mornas

Esta foi a manhã de Dominique Villepin. Homem de uma retórica que deixaria Paulo Portas inseguro, o antigo Primeiro-Ministro francês chegou ao Estoril como quem está prontinho para se candidatar à Presidência francesa seduzindo a plateia que se rendeu ao seu discurso globalizador na diversidade, nos compromissos, na preocupação com direitos fundamentais, na segurança e na defesa. Chegou mesmo a ter o descaramento de propôr uma estratégia europeia para a defesa. Vieram-me as lágrimas aos olhos. Como dizia alguém aqui ao lado: Sarkozy que se ponha a pau.

Villepin centrou-se essencialmente no tema geral das conferências mas disse algo que me deixou confuso: pensar local e agir global. Eu compreendo, de certa forma, que queira falar no sentido do espírito comunitário, como quem depende da Dona Rosa da mercearia e do Tio Zé da oficina para o crescimento global de todo o burgo. Chama-se a isto o bom conservadorismo. Mas, parece-me que Villepin poderia ter sido mais arrojado e defender um pensar global e agir local. Porque é a acção que estamos aqui a discutir e não apenas as boas intenções. Agir bem localmente, com visão global, para uma melhor integração e comunhão de interesses. Foi, para já, a palestra mais completa.

 

Um abraço, Dominique!



publicado por jorge c. às 13:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Touched by the hand of Baradei

Como seria de prever, o Benfica não me deixou espaço de manobra. Mas a vida é assim mesmo - ganhamos nuns sítios e perdemos noutros. Ontem, por exemplo, ganhou-se muito em dois momentos: a conferência de imprensa da ElBaradei e a palestra de Francis Fukuyama. Eu, pelo menos, ainda ganhei um abraço do Baradei - qual touched by the hand of God - e com um cosmos bem alinhado tudo se há-de resolver pelo melhor no Egipto. É pensar global, pensar positivo. Assim nos foi dizendo o Prémio Nobel da Paz enquanto respondia a questões não apenas relacionadas com o seu país. Falou-se em transição lenta, em democracia, em pluralismo, em reflexão, consensos alargados, Constituição - tudo requisitos fundamentais para que se candidate. Mas sim, há uma candidatura à vista, admite Baradei numa postura serena e aparentemente consciente. Vai correr tudo bem, com a graça de Deus - o outro, que com o da Moita a conversa foi outra (meteu revoluções e redes sociais, enfim, um assunto que poderemos abordar mais tarde numa avaliação global, lá está, das conferências).

 

Àquela hora já se ouvia a multidão pelos campos "Frankie! Frankie! Frankie!". Ou então era apenas eu que aguardava ansiosamente nos corredores, ao pé de gente bonita e bem disposta, a chegada de Mr. Fukuyama que traria certamente a matéria do seu novo livro para nos falar dos sistemas actuais, nomeadamente do médio-oriente e por aí fora até à China. Foi isso que fez. Falou de sistemas, da sua arquitectura, da sua filosofia e dos seus potenciais erros. No fundo fez um breve resumo daquilo que está no seu livro: poder político, primado da lei e finanças. Sem estas três característica, diz Fukuyama, a malta não vai longe, como se pôde constatar ao longo da História onde, garante (20 anos depois do seu tão falado Fim da História), o problema poderá estar no Imperador e não no Império. Quanto à China, terra da abundância que tem andado na boca do povo - que é como quem diz conferencistas -, não será facilmente possuída à bruta por esta nova vaga de revoluções, o famigerado uprising capitalista, perdão! democrático. A China, ela própria está a modificar-se, está a crescer economicamente, e essa nova narrativa não será familiar a uma revolução. Mas não se enganem, ninguém pode prever o que vai acontecer, diz o nosso ex- Zandinga da filosofia política americana. E lá mandou uns vivas à democracia. Houve comoção.

 

Portanto, um dia repleto de emoções, não obstante Mira Amaral e um painel fraquinho de onde sobressaíram indiscutívelmente

Pauline van der Meer Mohr (este copy/paste foi demasiado denunciado) e David Held. Mais um painel onde se falou, no essencial, de ética, integridade e história (estudo e cultura) para uma sociedade melhor preparada para os desafios globais, em tempos de crise financeira, onde a honra e a seriedade serão factores nucleares. O Prof. Zoega poderia ter feito um brilharete, mas estava nervoso e desconfortável, o que não nos permitiu perceber por que razão falava da dívida pública e privada. É verdade que ninguém compreende tudo o resto, mas a crise financeira em particular, apesar dos esforços dos conferencistas. Insisto apenas no maravilhoso sotaque do Dr. Mira Amaral.

 

Agora vou até lá outra vez, que estou atrasado. Sejam amigos!



publicado por jorge c. às 09:45
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 5 de Maio de 2011
2º dia no Estoril - Deus e o Rei

A tarde de ontem foi muito interessante. Tão interessante que acabou num grande concerto de Aloe Blacc na Aula Magna e eu nem tive tempo de vos pôr a par da excelente intervenção em apneia de Roubini que veio dar uma palestra sobre a crise financeira global (causas/efeitos/possíveis soluções) que possivelmente deixou Miguel Frasquilho muito desconfortável. Howard Dean também foi giro. Uma aula de pragmatismo e real politik depois da cantilena da manhã. Mas o que lá vai, lá vai e segue o segundo dia de Conferências.

 

Hoje tivémos uma manhã plena de dispersão estratégica. O tema eram os desafios e a governação global. Meia casa forte, como na festa brava, de onde salta uma boa prestação final de Carlos Lopes e de Sergey Karaganov. A crise financeira e o desenvolvimento económico andaram numa rodaviva atrás de uma participação global, mas fica claro que a complexidade é inimiga de soluções mágicas e dessa dispersão institucional estratégica. Um debate que poderia ter sido verdadeiramente interessante mas que pecou por ser confuso e mal mediado.

 

A grande expectativa estava em Larry King. Não vou falar da prestação de Mário Crespo que roçou o ridículo na tentativa de insinuar censura. Posso dizer apenas que, tal como outros companheiros da luta, fiquei um pouco desiludido. Uma conferência que andaria à volta dos desafios globais da democracia acabou por ser sobre Larry King. Mérito indiscutível para a sua capacidade de comunicação e de sedução. De assinalar a percepção da sua própria profissão, da sua evolução, com referências inevitáveis a Ted Turner e a Walter Cronkite; uma história sobre um entrevistado (polícia) e o míudo que o alvejou que emocionou a plateia; e uma descrição em pontos muito concretos daquilo que deve ser a habilidade jornalística em aprender para perguntar e voltar a aprender para voltar a perguntar. Sobre desafios globais... fica à vossa criatividade, não sejam preguiçosos.

 

A esta hora, olhando ali para baixo, vejo Deus sentado à espera que as pessoas cheguem. Numa clara manifestação de graxismo, a pontualidade de Rodrigo Moita de Deus (também blogger do 31 d Armada) diz muito da organização competente destas conferências.

 

Se o Bendfica me permitir, ainda hoje direi qualquer coisa. Sejam amigos.

 



publicado por jorge c. às 14:59
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 4 de Maio de 2011
Ah! Conferências e poesia social

Manhã de sol no Estoril, bom tempo para a prática desportiva e para as aulas de educação cívica. A Academia podia resumir-se a uma longa manhã de Meio Físico e Social. Falou-se de ética, complexidade do meio, participação cívica, liderança e responsabilidade social. A Dona Maria Emília ficaria muito satisfeita por ver que eu tenho a matéria bem estudada. Pareceu tudo muito bem, por pouco não fomos todos a correr comprar playmobil's para construir cidades perfeitas e "God is in the house" nas sábias palavras desse arquitecto paisagista que é Nick Cave.

Devia haver uma disciplina de lirismo prático e o meu pai tinha um colapso por perceber que eu sempre tive razão. A mensagem é clara: sejam amigos, organizem-se, façam os trabalhos de casa e nunca deixem de sonhar. Isto faz todo o sentido em estrangeiro, mas quando se faz a tradução a fotografia parece ser de baixa resolução.

Mas, não vamos ser tão cépticos. Um dia alguém em Portugal fará mais que uma parangona e seremos todos felizes. É para isso que servem estas palestras, não é - para nos motivar?

Com mais tempo tentarei ser mais objectivo nas minhas insinuações. Para já está tudo a correr bem.

Deixo aqui o programa e podem seguir as conferências da tarde aqui em baixo.

 

 

Um agradecimento especial e um beijinho para o Chico e para a Alda que estão a fazer os possíveis para eu não ser preso.



publicado por jorge c. às 12:58
link do post | comentar | partilhar

Maus Costumes on tour

 

 

Nos próximos dias estarei nas Conferências do Estoril. Este blog será uma espécie de wikileaks cobarde. Para já vou ambientar-me e já digo qualquer coisa. Vou tentar não fazer muitos disparates.



publicado por jorge c. às 09:50
link do post | comentar | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds