Segunda-feira, 9 de Maio de 2011
Infesta

tags:

publicado por jorge c. às 00:00
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011
Super Bowl goes to bad Hollywood

O que irrita nos efeitos especiais do cinema é a falta de criatividade. Ignorando em absoluto a forma de escrever um bom argumento, montar uma história interessante ou ter actores a sério, muitos realizadores têm enchido filmes com efeitos especiais sem qualquer finalidade que não a da espectacularidade. Vende-se a emoção com uma grande explosão. Mas a emoção não está lá porque falta o actor, o argumento ou o mais pequeno vestígio de genuinidade.

Quando ontem, poucos minutos antes do início do 45º Super Bowl, Christina Aguilera subiu ao palco para cantar o Star-Spangled Banner (o hino americano) levei as mãos à cabeça e pensei: mas onde é que estes gajos têm a cabeça? O que eu não contava é que fosse ainda pior e, num número American Idol goes to Cabaret para o Convento passando pela Broadway, Aguilera destruísse um dos maiores motivos de orgulho dos americanos. Informaram-me que o comentador da Sporttv se dizia arrepiado, o que deverá bastar para eu não ter de explicar por que razão vi o jogo na ESPN.

A espectacularidade que os americanos tentam imprimir a cada momento da sua vida levará a que um dia nada reste para além dos efeitos especiais. Lessons to learn.



publicado por jorge c. às 11:46
link do post | comentar | partilhar

super bowl goes to hollywood



publicado por jorge c. às 01:36
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 23 de Outubro de 2010
As mil formas de fazer um ponto

Tive um treinador que nos dizia que há mil formas de fazer um ponto. O nosso objectivo era descobri-las e reinventá.las para surpreender sempre o adversário. Nessa altura, o pavilhão enchia aos fins-de-semana, ouvia-se cantoria das bancadas e choviam moedas em direcção ao árbitro. A Académica* discutia resultados ao mais alto nível e isso reflectia-se nas camadas mais jovens que idolatravam os seus seniores. Ah, e havia um factor fundamental no meio disto tudo: as miúdas do vólei são sempre as mais giras.

O que falta às modalidades, hoje, é esse entusiasmo. O entusiasmo não existe sem formação de públicos, resultados e muitos miúdos.

O que a Sarah Saint-Maxent está a fazer nesta crónica semanal é, por isso, de louvar. Promover uma modalidade numa região onde uma equipa e uma escola de formação são quase uma miragem é uma tarefa hercúlea. Acresce a tudo isto o prazer com que estas crónicas são escritas, como se estivéssemos a falar de uma prática desportiva bem reputada por estas bandas. O que a Sarah está a fazer, portanto, é uma das mil formas de marcar um ponto, esforçando-se por se reinventar todas as semanas.

A seguir, de perto, todas as sextas no blog do programa Minuto Zero.

 

 

*Associação Académica de S.Mamede


tags:

publicado por jorge c. às 10:53
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 14 de Outubro de 2010
Um atleta

Kelly Slater venceu o Rip Curl Pro Portugal. Aos 38 anos, o surfista da Flórida continua a ser, para mim, um exemplo de atleta. Manobrar uma prancha não é uma tarefa fácil. Há quem passe anos a tentar atingir uma execução técnica perfeita. Mas Slater já o fazia aos 16 anos e desde então tem aproveitado para se divertir.

 


tags:

publicado por jorge c. às 18:16
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 5 de Setembro de 2010
NFL

Está de volta a liga de futebol americano. Depois de uns meses de pausa, a NFL regressa e com alguns resultados surpreendentes. Ainda é cedo, mas já dá para fazer algumas previsões de como começará este ano. Centremos, para já, as atenções nos Saints, vencedores do Super Bowl. A equipa mantém-se praticamente a mesma, o que, depois de um campeonato consistente e coeso como o do ano passado, é um excelente sinal. Mas, este primeiro jogo foi um jogo de azares para a equipa de New Orleans, com as lesões. Uma derrota sofrida, mas ainda assim um jogo espantoso, de grande resistência e dedicação. Arrisco dizer que em New Orleans a glória chegou para ficar e teremos mais um bom ano de football*.

Os especialistas parecem mais apostados numa “época dos Cardinals”, apesar de alguns problemas de balneário, nomeadamente em relação a Matt Leinart. É uma equipa forte, sem dúvida, mas o football é um desporto de persistência e consistência. Sem uma equipa solidária e disposta a morrer em campo é muito difícil chegar à grande final. Quanto aos Giants e aos Steelers, já se sabe, começam sempre as épocas galvanizados com grandes vitórias e depois é sempre a descer.

A liga poderá ser acompanhada durante todo o ano na televisão por cabo, no canal ESPN. Com paciência irei falando dela ao longo do ano. Só podemos dizer “thank you, cable”!

 

 

*Refiro-me assim para não provocar confusões.


tags: ,

publicado por jorge c. às 11:59
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 3 de Maio de 2010
domingo desportivo

Havia começado tão bem, o fim-de-semana, e estraga-se com um Domingo de tristezas desportivas. Primeiro o playoff de volley entre o Benfica e o Espinho. Pavilhão com bastante gente, ambiente simpático e uma diferença de 2 para 1 nos jogos anteriores. O Benfica não conseguiu responder à grande qualidade do Espinho (o Maia há-de ter 70 anos e ser o maior) não só por falhas claras na recepção como também pela falta de referências sólidas na equipa, de jogadores experientes e conhecedores das manhas do jogo. Uma derrota justa que só dá que pensar na forma de gerir estas modalidades. É importante ter jogadores com um porte atlético forte, mas também é preciso ter jogadores tecnicamente evoluídos e consistentes.

 

Depois o futebol. O Porto - Benfica deste Domingo foi um dos melhores clássicos a que se assistiu nos últimos anos, talvez o mais equilibrado e mais propenso a golos. O Porto foi mais frio e soube tirar vantagem de algumas fragilidades imediatas do Benfica. Marcou e não baixou o rendimento. Depois de um golo extraordinário de Bellucci não há nada a dizer senão admitir o mérito da vitória do Porto. Não deixa de ser um jogo equilibrado em que qualquer um poderia ter ganho. No caso, ganhou quem concretizou. Mas o Porto tinha uma motivação mais forte que era libertar uma raiva contra a época do Benfica. Não que seja um bom motivo para jogar futebol, mas é válido e pelos vistos resulta. Eu, ainda assim, prefiro quando as equipas jogam para ganhar e não passam um ano inteiro a jogar contra outro clube.



publicado por jorge c. às 23:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds