Terça-feira, 23 de Julho de 2013
uma ideologia

Há uns anos, falava-se muito de medidas impopulares. Tornou-se um conceito muito utilizado pela direita, já no fim do guterrismo e foi muito desse discurso que levou Durão Barroso ao poder. É verdade que na altura, um gnu com uma placa a dizer PSD ganharia as eleições. Mas, se houve alturas em que um gnu ganharia a Durão Barroso, então podemos assumir que o discurso das medidas impopulares teve os seus méritos. Foi um tempo em que Reforma do Estado era um conceito ainda melindroso. Eu era fã desse discurso.

As medidas impopulares eram compatíveis com o Estado-Providência. Qualquer um dos partidos as podia adoptar. Não tinham um factor ideológico forte, aparentemente, e eram apenas necessidades de um país que pretendia equilibrar-se depois da injecção de fundos comunitários dos anos 90. Era uma questão de prioridades. 

Entretanto, o conceito de medidas impopulares evoluiu, no centro-direita, para a necessidade de austeridade, numa década. O discurso tranformou-se em algo que vai para além das simples necessidades de equilíbrio e começou a afectar o próprio Estado-Providência, o rendimento das famílias, a sustentabilidade das micro e pequenas empresas e o desemprego.

Creio que foi Paul Krugman que definiu a austeridade como uma ideologia. Tendo a concordar. Ao contrário das medidas impopulares, a austeridade tem, de facto, contornos ideológicos. Ela baseia-se na convicção de que se nos focarmos no cumprimento escrupuloso da dívida e no controlo rígido do défice, seremos mais competitivos e o sol brilhará para todos nós. Pelos resultados que vamos vendo, espelhados na dinâmica socio-económica, pode ser que não seja bem assim. 

Não deve haver medo em assumir a narrativa ideológica da austeridade. Será, de certo, mais honesto do que vendê-la como uma necessidade imediata. As tranformações sociais provocadas pela austeridade são políticas; são decisões tomadas com base numa convicção. Ora, estas transformações não são escurtinadas de forma transparente por dois motivos: esconde-se a intenção ideológica e esonde-se a origem da orientação da mesma. Se há uma política europeia clara e inequívoca pela austeridade, e que está a ingerir no contrato que os eleitores fizeram com o seu Estado, então parece-me mais lógico que a votemos. Democraticamente. 

Não há qualquer problema em discutir ideias, desde que se assuma que são ideias. A sua não-assumpção é que é uma neblina contrária aos princípios que todos acordámos.



publicado por jorge c. às 14:54
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 15 de Julho de 2013
é a economia, estúpido

Alguém dizia, há uns dias, que quando em tempo de crise se fala à carteira das pessoas, há uma imediata aceitação do discurso. É a isto que chamamos populismo.

Mas, para além do populismo habitual e perigoso de moralistas como José Gomes Ferreira, Camilo Lourenço ou o Pato Donald, há um discurso, noutra linha, também ele perigoso e que já conduziu o país a 40 anos fora dos mercados (do mercado da liberdade, da igualdade, da democracia, etc.). É o discurso da prevalência da economia, que nos diz que a sociedade corre por motivos económicos, como uma finalidade.

O objectivo de um sistema como a social-democracia, e por ter nascido no pós-Guerra, é tornar evidente que as democracias são regidas pela política, pelo interesse público e pela necessidade de paz e harmonia social.

Quando a construção de uma nova narrativa passa a desenhar a finalidade financeira e económica, então sabemos que nos estamos a desviar do objectivo inicial. A única forma que um discurso sobre a prevalência da economia tem de triunfar é através da coação, da imposição, da negação de liberdades individuais e colectivas, do empobrecimento estrutural do país. Ao aceitarmos empobrecer, aceitamos não nos desenvolver, porque o empobrecimento pressupõe desigualdades mais abrangentes, como se viu no Estado Novo.

Por isso, sempre que me falarem de superavits, de cortes na despesa e de pagamento da dívida, cantarei a Maria da Fonte.



publicado por jorge c. às 11:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
Informação vs Conhecimento

Julgo que foi Steffen Giessner que falava, há precisamente uma semana, de como a informação não é por si só cultura. Frank Zappa também já o tinha dito, curiosamente. Parece uma coisa bastante óbvia, mas é ao mesmo tempo um flagelo. O conhecimento wiki, superficial, linkado, é hoje uma das maiores evidências na web. Dou o exemplo do twitter, onde apanhava constantemente um cidadão a fazer a revista de imprensa de jornais todos os dias, logo pela fresquinha, com links de 5 em 5 segundos. Há aqui quase uma impossibilidade cósmica de conseguir ler pouco mais do que as parangonas. Esse exibicionismo existe e muito.

Mas regresso a este tema porque me parece claro que há hoje uma marca de água do excesso de informação e a falta de cultura ou conhecimento, como preferirem. A economia é um assunto quase paradigmático nesse sentido. De um já ultrapassado "É a economia, estúpido!" passámos a um mais sofisticado "leio Krugman, logo sei de economia" ou "vi o inside job, logo compreendo a crise". Todos parecem ter bastantes certezas sobre uma ciência que nem sequer é exacta. Mas como explicava Roubini no outro dia, os problemas da crise são complexos e não se cingem a fórmulas milagrosas. É necessário compreender a natureza, a estrutura e a evolução do objecto para lhe determinar um diagnóstico. Depois disso será preciso compreender a contextualização e a subjectividade social e cultural desse mesmo objecto para construir uma solução ou algumas soluções possíveis com as devidas consequências.

Ora, no meu entender, Krugman não faz este exercício e não avalia as consequências do seu próprio exercício. Esse não tem dimensão política subjectiva e, portanto, ignora um conjunto de realidades que saem da esfera económica. O que faz sentido no seu universo, mas que não deveria fazer para nós que temos uma percepção diferente da realidade. Não quero, de forma alguma, subvalorizar o papel de Krugman. Quero apenas chamar a atenção para um problema de superficialidade no debate político comum, de futilidade até, diria, com base em algo que se leu e que se entende como um dogma em si mesmo. A assertividade das ideias decoradas não faz necessariamente com que compreendamos o meio.



publicado por jorge c. às 09:29
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 10 de Março de 2011
Enriqueçam, meus queridos

Ora então muito bom dia a todos. Queria aqui anunciar em primeiro lugar que hoje é dia 10 de Março e, agora que estamos todos familiarizados com o conjunto musical Bloco de Esquerda, podemos seguir com as notícias do dia que nos fizeram chegar à capa da Forbes. Está tudo bem já que mantemos 3 cavalheiros nos mais ricos do mundo. Eu fico muito satisfeito. Até acho que devíamos começar a tratá-los como tantas vezes fazemos com profissionais da Pátria. Sempre que alguém se referisse a Belmiro dizia "o nosso Belmiro de Azevedo". Ou então, "o nosso Américo Amorim". Devíamos ter orgulho nos nossos milionários que parecem fazer sucesso lá fora. Essencialmente é isto que nos falta. Basta de ressentimento com o'rrricos. Vamos deixá-los ser ricos e criarem postos de trabalho para que o país cresça e para que, assim, acabemos com os pobres. Não era muito mais espectacular acabar com os pobres? Olhe que sim.



publicado por jorge c. às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
Not searching for the real thing

Leio por aí que há muitas expectativas no encontro entre Sócrates e Merkel. Nos meios de comunicação social lê-se que os dois encontrar-se-ão para discutir a posição da Alemanha em relação à ajuda a Portugal. Mas ninguém parece querer saber qual a posição de Portugal em relação ao ritmo imposto pela Alemanha em termos fiscais e de crescimento económico. Das duas uma: ou o Governo português não tem uma posição para defender porque não tem força política na UE, ou os media não ligam muito a esse factor, o que me parece estranho já que a comunicação e assessoria do Governo é conhecida pela sua competência. Vou mais pela tese da nossa incapacidade de discutir a Europa com os nossos parceiros.

E se assim é, por que razão não aparece agora o PSD a assumir uma posição forte e consistente sobre a forma como Portugal deve enfrentar aqueles que lhe impõem regras desproporcionais? Como não haveremos de ficar com a sensação de que a nossa governação e a oposição estão a viver noutro universo?



publicado por jorge c. às 18:47
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011
Mas que gente tão parva

Gosto muito de leitinho com chocolate. Não de um leitinho com chocolate qualquer, mas sim de Suchard Express, e ninguém me paga para isto. Gosto muito de viver num país onde posso escolher o leitinho com chocolate que me apetecer. Já as pessoas no Egipto não têm tanta sorte. Não se trata só da crise, que também há no Egipto, não é só aqui, mas de um conjunto de narrativas políticas que não são muito favoráveis à existência do Suchard Express, dando exclusividade ao tenebroso Ovomaltine. Já vimos isto a acontecer e não foi bonito. O Ovomaltine é horrível! Pelo que gostaria muito que as pessoas do Egipto como eu e tu tivessem acesso à livre escolha do leitinho com chocolate. Eles até nem se importam de passar por uma crise de sacrifícios e assim se, pelo menos, tiverem direito a escolher entre o Ovomaltine e o Suchard Express derivado ao assunto do preço. Pelo contrário, por cá, a nossa cena já é outra: é termos acreditado que poderíamos beber muito leitinho com chocolate sem nos preocuparmos muito. É tudo uma questão de expectativas. Criou-se a expectativa de que estava tudo bem, e depois de nos fazermos à vida ia continuar tudo bem na mesma porque, seguindo as exigências do progresso, tínhamos feito tudo by the book. Acontece que não foi assim e houve uma - como é que se diz? - frustração de expectativas, que é uma cena tramada que costuma resultar em depressões (modernices). De um momento para o outro, ou não temos dinheiro para comprar leitinho com chocolate ou não temos tempo para o beber, e não era nada disto que tínhamos combinado. A expectativa é uma característica muito forte das sociedades modernas porque é ela que vai catalisar a dinâmica de consumo. Quando as expectativas são frustradas a sociedade ressente-se, mesmo que em rigor os mínimos garantidos continuem a ser cumpridos. Como alguns começam a deixar de o ser - porque a vida é assim mesmo - há gente que faz barulho, que se manifesta de algum modo, nem que seja com canções. O Tony Carreira andou anos a cantar o amor proletário e ninguém ficou muito incomodado. Ou a grande Linda de Suza e La valise en carton. Mas, desta vez, por causa da banda da Damaia, levantou-se aí um sururu com contornos ridículos. É que a frustração de expectativas não é um problema da esquerda ou da direita, é um problema de todos que construímos (mos) um sistema, torrámos o guito todo e agora não temos como dar resposta às expectativas que alimentámos durante duas décadas e meia. Se isto não é motivo suficiente para um gajo ficar indignado e escrever uma merda de uma canção, então traga-se o Mubarak que aqui é mais a cena dele. Admitindo perfeitamente a infelicidade da minha frase anterior se não atendermos ao seu toque de ironia, insisto nela por ver à volta de uma canção catastrofistas e anti-catastrofistas a esgrimar de poltrona para poltrona a ver quem é que tem mais razão sobre a vida dos cidadãos que querem apenas continuar a beber leitinho com chocolate sem grandes preocupações.



publicado por jorge c. às 11:38
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 5 de Fevereiro de 2011
O Euro e a Alemanha solipsista

Angela Merkel, chanceler alemã, e Nicolas Sarkozy, presidente francês, que falaram à imprensa do seu pacto antes mesmo de o apresentarem aos parceiros durante o almoço de ontem, explicaram que o critério central deste pacto será alinhar todos os países com o mais bem sucedido. O que é encarado como uma forma de impor a disciplina alemã a todos os países europeus.

Ora, aqui está o real problema da estrutura político-económica da União Europeia, ou aquilo que alguns têm vindo a determinar como o problema sistémico da UE. Tenho tido esta conversa com algumas pessoas, em particular com o Paulo Coimbra, e chegamos sempre à conclusão - talvez única - que países com realidades político-económicas diferentes não podem obedecer aos mesmos graus ou critérios de exigência. A Alemanha tem de se capacitar que a integração europeia também passa por fazer cedências no campo solidário. Mas aqui não se trata já de uma questão de esforço e empenho, mas antes de uma impossibilidade. É como querer que um Mini carregue 4 toneladas com a mesma eficácia de um camião TIR. É esta a discussão que temos de ter antes de discutir investimentos públicos e afins: qual é o caminho estrutural que queremos dar à UE?



publicado por jorge c. às 13:20
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011
Wannabe: a desmistificação de Davos

Tudo a postos para Davos. Sempre desconfiei do entusiasmo com o encontro, mas dei de barato que fosse ignorância minha e que ali se resolvessem os problemas do mundo de forma extemamente secreta. Leio agora este magnífico texto de John Cassidy que põe a nu a futilidade da participação.



publicado por jorge c. às 20:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011
Ando a tentar perceber...

Isto sou só eu a pensar. Voltando a um post anterior, e sempre com a noção da minha ignorância, acabo por pensar mais sobre a natureza da política do que propriamente nas suas circunstâncias. Portanto, acredito que é necessário combater o relativismo da natureza porque é essencial que os povos tenham a certeza do modelo que estão a seguir de modo a compreenderem as circunstâncias. O modelo - no caso, económico - é, assim, o ponto fundamental desta nossa discussão.

A pergunta que se coloca é: devemos seguir o modelo actual ou um que achamos melhor? Pode parecer estúpida e infantil, esta pergunta. Eu também achei quando a formulei. Mas, depois percebi que podia haver várias respostas e todas elas faziam sentido. Primeiro, posso dizer que se há um modelo que considero melhor então é esse que devemos seguir. Segundo, se estamos integrados num modelo conjunto então temos de o respeitar. Isto continua a parecer parvo, mas eu já concluo. Postas as coisas nestes termos, fará sentido responsabilizar sujeitos externos? À partida pode parecer que sim, o que é até bastante sedutor para quem a primeira necessidade é defender uma governação, mas se virmos bem não faz qualquer sentido. Repare-se no primeiro argumento: se eu considero que há um modelo melhor então tenho que sair do actual. Não faz sentido proceder à prática de um modelo não vigente, principalmente quando não se está sozinho. Acabamos por cair numa resposta única: devemos seguir, no sentido de colaborar, com o modelo actual. Podemos discutir a sua eficácia e os seus resultados, mas não nos podemos justificar com políticas de um modelo que não praticamos.



publicado por jorge c. às 17:12
link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011
They locked up a man who wanted to rule the world, the fools, they locked up the wrong man

Gostava imenso de saber mais de economia para poder compreender todas as desculpas possíveis para desresponsabilizar governos. É claro que eu discuto sempre da perspectiva da ignorância e longe de mim criticar gente tão informada e conhecedora das circunstâncias.

O meu problema é que eu tenho uma tendência para a assunção de responsabilidades em política, e por mais que a economia esteja sempre dependente das tais circunstâncias e se torne muito difícil prever o comportamento dessa corja de malfeitores que por aí anda à solta no mundo, não posso deixar de acreditar que a prudência e a responsabilidade são factores chave para a antecipação de problemas. Ufa, que grande frase...

Posto isto, restam-me algumas questões. O governo português, ao que se sabe, está integrado, juntamente com o Estado que representa, numa União Europeia. Assim de repente, o governo é bem capaz de estar a par das restrições orçamentais a que essa União obriga. Não será que, nesse sentido, seria de assumir a responsabilidade do não cumprimento daquilo a que se comprometeram perante os seus pares? Seria também interessante perguntar a razão de colocar a culpa num partido europeu. Tenho uma péssima memória e um arquivo pobrezinho mas, se não estou em erro, foi o actual governo que promoveu e assinou o Tratado de Lisboa, conhecendo os riscos  das imposições dos países mais fortes e conhecendo a estrutura política da UE. Se calhar aproveitava o facto de estarmos aqui todos e perguntava se faz sentido basearmos a nossa posição relativa a responsabilidade política em factores hipotéticos e sistemas financeiros que não existem, ou se era capaz de ser mais lógico responsabilizar a política pelo sistema real e efectivo em que ela assenta.

Em todo o caso, por amor de Deus, não quero estar aqui a pôr em causa a verdade do sistema financeiro que corrompe o homem e assumo desde já toda a minha ignorância. São só algumas questões que me surgiram durante a noite e nestas coisas devemos sempre falar para não ficar com nada cá dentro, não vá o diabo tecê-las.



publicado por jorge c. às 11:05
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010
O mercado da opinião

E você, qual o indicador económico mais favorável à sua doutrina? É escolher, à vontade do freguês! Surpreenda os seus amigos com um gráfico nunca antes visto. Atire-lhes com dados nunca revelados. Neste Natal marque a diferença.


tags:

publicado por jorge c. às 13:50
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 12 de Dezembro de 2010
"um pé numa galera e outro no fundo do mar"

Em Portugal e o Futuro, Spínola dizia algo muito relevante na altura e que costumo citar muitas vezes: não é apenas aquilo que achamos de nós mesmos, mas também a forma como os outros nos vêem.

É chato, não é muito animador, mas a verdade é que tem de haver motivos de preocupação. E sem os dramas do costumes ou o optimismo acéfalo e sectário, seria importante perceber que é preciso agitar a sociedade portuguesa que ainda tem possibilidade e capacidade para agir. Dar esperança com base em coisas objectivas e concretizáveis. E sim, é um lugar comum, mas um lugar comum que também quero repetir. Façamos algo pelas nossas vidas. Não desperdicemos tempo a defender ou atacar quem não sabe sequer o que fazer da sua própria vida, quanto mais da dos outros.

Deprimir não é a solução, nem iludir.



publicado por jorge c. às 13:13
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010
Das obrigações em geral

Nunca compreendi muito bem como é que a mentalidade de diabolização do credor e vitimização do devedor conseguia triunfar. Os meus colegas de faculdade até se chegavam a confundir nos exames de Obrigações por esse mesmo motivo. Ela é o corolário da não assunção de responsabilidades. Se isto é preocupante a uma escala pequena, diria até individual, imagine-se numa escala macro-económica.

Há, agora, quem nos queira convencer de que dever aos credores não é um problema e que a culpa da dívida nem sequer é nossa. Tudo isto desresponsabiliza politicamente quem toma decisões de risco.

Who cares? A responsabilidade política está sobrevalorizada, não é verdade?



publicado por jorge c. às 09:21
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010
Exportar é preciso

O Dr. Faria de Oliveira foi a Gaia reforçar aquilo que havia dito ontem o Presidente da República: devemo-nos preocupar e concentrar nos mercados primários. Até aqui tudo bem. Mas, como impulsionar algo que necessita de dois sectores fundamentais (o primário e o secundário) que estão, neste momento, decrépitos? Com um sector terciário confuso e desorganizado, torna-se difícil não entender estas palavras como meros lugares comuns, algo que temos de dizer para disfarçar a nossa total impotência relativamente aos mercados secundários. É que - vai-me desculpar o Dr. Faria de Oliveira - a preferência dos portugueses nos produtos nacionais a curto prazo é algo demasiado subjectivo para que possamos ter alguma confiança nela.

Tenho defendido a suspeita de que pouco temos para exportar, que o volume de negócio da grande maioria das empresas portuguesas é insuficiente para concorrer lá fora e que podemos estar a apostar nos mercados errados (Angola, por exemplo). Posso perfeitamente estar enganado, até porque essa minha suspeita não passa de mera especulação. Acontece que até agora nada me provou o contrário, salvo raríssimas excepções.



publicado por jorge c. às 20:16
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
O desemprego em abstracto é mau, os números, esses, são animadores

A conversa "anti-governo" pode ser chata para algumas pessoas. Eu compreendo que se sintam perseguidos por um mundo maldoso que só quer o desaire, mas a realidade é uma coisa tramada.

Andamos há cerca de um ano a ouvir o ministro Vieira da Silva a desvalorizar os números do desemprego. O sr. ministro não é insensível ao desemprego, de um modo geral. Aliás, a marca fundamental dos partidos de poder em Portugal, nomeadamente o Partido Socialista, é esta sensibilidade para os problemas sociais, para os mais desfavorecidos e todos aqueles lugares com que se enche a boca (acho que se chama demagogia, isto, não sei).

O problema são os números. E os números dizem-nos que o desemprego aumentou substancialmente. É claro que o sr. ministro considera, em abstracto, o desemprego como um problema. Mas, a seguir desvaloriza os números e está tudo bem. O desemprego é um problema, mas noutra dimensão que não a nossa.

A facilidade com que se relativiza a realidade é assustadora e típica de quem quer manter o poder sem qualquer interesse em servir.


tags:

publicado por jorge c. às 11:20
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 9 de Maio de 2010
Falar por falar

São já raras as vezes que presto atenção ao Eixo do Mal. A figura de Pedro Marques Lopes (PML) e os seus lugarejos comuns, frases lapidares ("o problema deste país", "só neste país") e lições sobre o que é a direita (a dele, claro) passam agora os limites do entediante e começam a ser irritantes. Ontem, enquanto ia mudando de canal, lá passei pelo Eixo do Mal e estava o Dr. Marques Lopes muito empenhado a falar das obras públicas e dos seus riscos. Mas como não queria falar só mal do governo, e completamente a despropósito, disse estar muito preocupado com as declarações de Cavaco Silva por este ter lembrado o passado, sendo que teria sido ele um dos principais contribuidores para o endividamento na sua era.

 

Ora bem, isto é como em tudo, há sempre alguém que nunca gosta de tomar uma posição objectiva sobre nada e agradar a gregos e troianos, acabando por cair no disparate pegado e fazer figura de pateta. O que PML não consegue perceber é a diferença das circunstâncias. Cavaco pode lembrar o que quiser porque o tempo era outro, tal como a situação das finanças públicas e o movimento dos mercados internacionais e principalmente da banca. Acontece que primeiro é preciso compreender que ninguém está contra o TGV ou o Aeroporto (sendo este muito mais discutível, no meu entendimento, enfim...) mas sim que a gravidade do endividamento é muito maior do que alguma vez havia acontecido e as probabilidades de não haver financiamento e capacidade de cumprimento são demasiado altas para que se avance de imediato para tais obras. Foi isto, aliás, que defendeu a Dra. Ferreira Leite quando falou em suspensão, repetindo até à exaustão que se tratava de uma situação provisória até os mercados estabilizarem e as finanças se revitalizarem. De nada adiantou devido a tresleituras deste género.

 

O problema das grandes obras públicas não é a sua natureza, mas sim as circunstâncias em que a sua construção se vai proporcionar. Ninguém duvida que vai gerar emprego e contribuir para uma maior mobilidade e desenvolvimento económico, mas se a banca for incapaz de dar resposta às necessidades de empréstimo dos Estados as consequências podem ser tão más que não compensa arriscar.

 

Há uma certa desonestidade intelectual na promoção das grandes obras públicas. Ainda esta semana, José Sócrates disse que não tinha sido o grande investimento público a provocar a crise. Pois não. Isto é uma não-questão. Nunca se ouviu ninguém a dizê-lo. O que se diz - isso sim - é que poderão agravar ainda mais o endividamento e isso tem consequências que passam a estar fora do nosso controlo. O problema é, portanto, de futuro, e não de presente ou passado.

 

Não sou um grande fã da política de obras públicas de Cavaco. A verdade é que no seu tempo esse investimento impulsionou a economia portuguesa e ajudou à integração europeia. Havia muito dinheiro a circular e resposta para os créditos. As circunstâncias actuais são tão diferentes como o dia e a noite e por isso compará-las com outras épocas (seja os anos 90 ou os 60) é estar a falar de uma cátedra comprada na Feira da Ladra; é encher espaço de comentário político com disparates. Nada a que já não estejamos habituados com esta nova geração de comentadores políticos que julgava vir substituir as vacas sagradas. Seria a substituição das elites tão querida pelo marxismo. Acabariam com os terríveis pacheco's e pulido's desta vida e singrariam iluminadas pela modernidade. Depois vai-se ver e é isto...



publicado por jorge c. às 12:34
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 7 de Maio de 2010
Piores dias virão

Mais de 20 anos de más políticas, no que diz respeito à aplicação dos fundos comunitários, são parte do problema criado por Portugal para hoje ter índices de crescimento económico tão baixos. Sair de uma crise financeira exige uma estrutura de base que impulsione nos vários sectores a produção de bens que possibilite a criação de postos de trabalho, a capacidade de exportação e por aí fora. Portugal não tem onde se agarrar. A agricultura não existe, o tecido empresarial no Vale do Sousa, do Ave e da região de Setúbal e Alverca faliu. A falta de visão estrutural e global dos governos desde Cavaco Silva, passando por António Guterres, Durão Barroso e José Sócrates, que personificam o Estado nas suas decisões, conduziu o país a um ponto sem retorno.

 

A presença numa união monetária deve exigir responsabilidades. A senhora Merkel tem a sua razão quando, lá no aconchego da sua casa, pensa em expulsão de incumpridores. Os países da UE receberam muito dinheiro durante mais de 20 anos. Esse dinheiro não cai do céu. Restam três possibilidades: continuar na mesma e subsidiar os incumpridores, expulsar os incumprimdores da moeda única, correndo o risco de terminar com a União, ou então criar novas regras e políticas financeiras directas com poder de decisão orçamental.

 

Continuar na mesma conduzirá inevitavelmente a um decréscimo da qualidade de vida da maioria dos europeus, mesmo daqueles que hoje não sentem a crise com tanta gravidade, criando um abuso do princípio da solidariedade. Expulsar os países que entram em incumprimento da moeda única é um atentado contra esse princípio da solidariedade que norteia a União Europeia e seria condená-la ao fim. Uma nova política unitariamente mais agressiva e directa supõe a ingerência nas políticas orçamentais dos Estados-membros. O panorama político ficou dependente do panorama económico e preso aos seus desígnios. Não vale a pena culpar o capital, mas sim a ignorância na relação com o capital, a má relação com a realidade social e cultural dos países e a megalomania progressista e imprudente.

 

 

Adenda: acabo de ler este post curioso do Miguel Morgado que vai muito ao encontro do que aqui escrevi com a vantagem de ser mais rigoroso.



publicado por jorge c. às 13:27
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 6 de Abril de 2010
A grande ilusão

Diz-se que a necessidade aguça o engenho. Em Portugal aguça a ilusão. Qualquer coisa, aliás, aguça a ilusão em Portugal: uma moda qualquer, uma novidade... o progresso, meu Deus, o progresso!

Desta vez a crença está nas exportações. Há um grupo indefinido de cidadãos portugueses que está convencido que a solução é exportar. E de facto nós temos exportado imensa gente, pessoas, que infelizmente não têm o valor de mercado pretendido. Uma chatice, esta coisa dos Direitos Humanos. À quantidade de gente que sai estávamos ricos e a esta altura o país prosperava.

Porém, a realidade é outra e a pergunta que se deve fazer é: exportar o quê?

Há alguma coisa para exportar? Que condições têm as empresas para exportar? Se o grosso do tecido empresarial português são PME's não seria adequado certificar-mo-nos de que existe volume de negócio para isso, que existe capacidade de produção para isso? E com quem se vai competir, estarão as empresas portuguesas no mesmo pé de igualdade?

Um país trapalhão (desenrascado, como lhe chamam), sem cultura de exportação, a braços com uma tremenda falta de crescimento económico, que durante anos delapidou o seu património agrícola e cultural convencido de que era o progresso, um país onde existe cada vez menos solidariedade e noção de função social das empresas, um país destes quer ter ambição nas exportações? Há aqui qualquer coisa que não faz sentido.



publicado por jorge c. às 12:14
link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds