Quinta-feira, 4 de Julho de 2013
Da impotência

Spínola dizia, em Portugal e o Futuro, que - e cito de memória - não bastava acharmos que éramos democratas, se os outros não o reconhecessem em nós. Apesar desta ideia do general se referir à imagem do país perante o exterior, podemos, de certo modo, fazer uma analogia para os dias que vivemos: um governo cuja consciência da actuação política não é entendida do mesmo modo pelo resto do país.

Precisamos, então, de compreender o que leva o governo de Passos Coelho a manter-se em funções, após um conjunto de acontecimentos inexplicáveis e desprestigiantes para a dogmática do poder político. Poderíamos acreditar, numa primeira hipótse, que se trata de excesso de zelo relativamente à necessidade de estabilidade institucional que o país precisa para gerir a sua credibilidade perante o exterior, não tivesse o disparo partido da carta de demissão de Vitor Gaspar, que compromete toda a acção governativa, admitindo um conjunto de falhanços e de mau estar dentro do governo. Esta hipótese - a que admite algum sentido de serviço público a Passos Coelho - não justifica, como vimos, a sequência de episódios (no mínimo) infelizes que lhe sucederam. Será, aliás, muito complicado acreditar no sentido de serviço público de um homem que desde 2008 traçou o seu caminho para o poder, atropelando o seu próprio partido,  reunindo-se de personagens pouco credíveis e de seriedade duvidosa, bem como de não-militantes com uma agenda contrária aos valores tradicionais do PSD, fazendo campanha pessoal quando Manuela Ferreira Leite preparava as eleições de 2009, contribindo para uma crise política que nos levou a um resgate financeiro e acabando num discurso fútil anti-constitucional. Os mínimos de compreensão do regular funcionamento das instituições não foram cumpridos. E isto é a base da política em Democracia. 

Chegamos, então, a uma segunda hipótese: Passos Coelho acha que está aqui para salvar a pátria. Colocando-se a si próprio num patamar de divindade, o Primeiro-ministro não abdica da sua ideia de tirar Portugal do fosso em que os socialistas nos meteram. Ignorando o que se passa no resto do mundo, Passos perdeu a noção da realidade e julga-se uma espécie de primus inter pares. Se esta hipótese se mostrar próxima da verdade, então o caminho será, decididamente, para uma autocracia. A solução seria um golpe de Estado ou o internamento compulsivo. Fica ao vosso critério, já que Presidente da República é uma figura dos nossos antepassados.

Seja qual for o entendimento mais viável que fazemos da situação, a verdade é que estamos perante uma profunda crise da democracia representativa e das instituições democráticas. Temos, neste momento, o pior Governo da nossa história, o pior Presidente da República da democracia e, para infortúnio geral, um líder de opinião incapaz.

Incrédulo, o país assiste a tudo isto em directo como um espectáculo burlesco, decadente e fatal, com um forte sentimento de impotência. "O que ser-se, então, neste país? Não ser-se?"



publicado por jorge c. às 10:51
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 24 de Fevereiro de 2013
Demita-se

Através da Joana, leio este grande artigo de Pacheco Pereira.

Espantoso como, no meio de tanta polémica, cantoria e dislate, já ninguém se preocupa com uma nova subida do desemprego e a malabarice discursiva de Vitor Gaspar.

Uma das questões inerentes ao cargo ministerial é a responsabilidade. Quando um governo toma uma decisão sobre determinada matéria e falha, o ministro que tutela a pasta tem de assumir a responsabilidade da decisão e deve demitir-se. A decisão, em última análise, foi sua. A escolha política é sua. A política é um conjunto de avaliações e decisões sobre as circunstâncias de uma determinada comunidade, de forma a promover o bem-estar da mesma e o seu desenvolvimento. 

Quando as decisões tomadas divergem deste objectivo mais abstracto, não se está a cumprir o seu compromisso inicial - a natureza das funções democráticas. Com efeito, deve, por razões éticas, sair e deixar a convicção dentro do executivo de que outro caminho terá de ser tomado. 

No entanto, não foi isso que Gaspar fez. Gaspar tentou enganar, mentir e ludibriar os portugueses de uma forma selvagem e asquerosa. O que nos faz pensar que Gaspar tem, efectivamente, uma agenda cujo objectivo é experimentar economicamente sobre um povo. Não pode haver outra explicação. E tem de se demitir já. 



publicado por jorge c. às 12:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Sexta-feira, 17 de Junho de 2011
Antes de o ser já o era

Há, neste momento, algo que me interessa mais observar na formação do novo governo do que a qualidade ou o falhanço total do colégio. É precisamente estes juízos que me atraem mais. Através deles conseguimos perceber mais o sectarismo e entender que dele nada de bom nasce.

Tenho uma teoria que só conseguimos ter uma noção exacta das consequências políticas da formação de um governo um ano e meio depois do seu início de funções. Dois, no máximo. É difícil fazer uma avaliação clara e objectiva num curto período de tempo. Como tal, qualquer juízo que seja feito nesta altura é prematuro e revela apenas o desinteresse que existe pela conformação governamental. A guerra está única e exclusivamente nas personalidades e na camisola que vestem. Isto poderá ter, efectivamente, uma relevância no campo ideológico. Mas, na verdade um governo é essencialmente a execução das suas políticas, a conformação executiva, sendo que isso depende muito da tendência dos tempos. Daí que em política a incoerência possa ser, de certo modo, desvalorizada (umas vezes para bem, outras tantas muito pelo contrário).

Reagir a quente à formação de um governo não revela muito mais do que o desinteresse pelas questões da política e da sua natureza e uma preponderância do interesse egoísta e fútil. É isso que é o sectarismo. Vamos sempre a tempo de mudar.



publicado por jorge c. às 22:23
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
"Pintelhos"

Os aditamentos feitos aos contratos das SCUT onde foram ou vão ainda ser introduzidas portagens representaram para o Estado encargos adicionais de dez mil milhões de euros, que não são em grande parte cobertos pelas novas receitas das portagens.

 

Conclui-se, portanto, que não só a introdução de portagens prejudicou os utentes, gerando um gasto extra muito significativo para quem é utilizador diário, como também se mostrou um negócio danoso para o Estado. Mas o que é que isso interessa, não é verdade?



publicado por jorge c. às 11:59
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 22 de Março de 2011
Conversa de saco

Ontem, o ministro Jorge Lacão veio fazer um número à volta de uma declaração do PSD em estrangeiro. Mas PPC nem esteve mal de todo na resposta. Pelo menos pensou o mesmo que eu, que já não é mau. Lacão acha que os portugueses não raciocinam. Tanta coisa a defender que não existe facilitismo na educação para depois subestimar o raciocínio do comum dos cidadãos, como diria o Prof. Cavaco Silva, o nosso Presidente.

O Dr. Lacão, como muita gente à volta do PS, tenta passar a ideia de que o PSD se mostrou disponível para viabilizar o PEC e agora quer cortar as pernas e faltar à palavra provocando uma crise política. Dito assim até parece verdade. Esta coisa da comunicação tem a sua piada. Não é que a postura do PSD seja a melhor de sempre, mas o PS anda a ver se sacode a água do pacote. Não é brejeirice minha, é economia política.

O PSD mostrou-se disponível para viabilizar o PEC, verdade. O Governo antecipou a apresentação de um pacote às instituições europeias sem consultar a AR ou o PR, ou seja, os órgãos de representação popular, verdade. As instituições europeias dizem que o acordo é irrevogável porque o Governo se comprometeu, verdade. A proposta importa um conjunto de medidas que não foram discutidas entre os partidos, verdade. O PSD afirmou que não aprovaria o PEC nestas condições, verdade. O PSD criou uma crise política, como diz aqui o João Galamba? Mentira. O PSD ajudou a criar uma crise política porque o Governo não é o país, como já foi aqui dito. O Governo representa o país e não se pode comprometer lá fora com algo que tem de justificar cá dentro. A sua posição política é demasiado frágil para andar feito dona de casa desesperada.

Além de que esta conversa do "quem provocou a crise política" já enjoa. Em última análise a responsabilidade é sempre do Governo que é quem - ora bem! - governa.

Neste momento resta uma hipótese a José Sócrates que é apresentar uma moção de confiança. As relações institucionais estão completamente destroçadas. Muito disso se deve ao discurso combativo do PS durante os últimos 5 anos, "todos contra nós". Não perceber que pior do que uma crise financeira é uma sociedade desagregada é também não compreender a estrutura e a forma da democracia. É preciso restaurar a confiança, o respeito e a coesão institucional. Não quero com isto dizer que o PSD o vá conseguir, mas que pelo menos o PS devia tentar recuperá-lo. Ou então, seguir caminho, que se faz tarde.



publicado por jorge c. às 13:08
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 17 de Março de 2011
Uma dedicação sem sentido

Tirei o dia para o fervor socialista.

Passos Coelho foi hoje a Belém pedir ao Presidente da República que actue perante a crise política instalada. É um facto: temos uma crise política. E por quem é que ela foi levantada? Terá sido pelo Bloco de Esquerda e a sua moção de censura? É evidente que não. Todos os partidos democráticos perceberam que a moção do Bloco não era séria e era até despropositada. Não havia dados efectivos da execução orçamental, nem nada de grave que comprometesse o governo. Terá sido do PSD? Também parece que não. O PSD tem ajudado o governo a segurar o barco com o orçamento, ajudou a chumbar a moção de censura, enfim... não é por aí. Acho que ninguém acredita que o PCP e o CDS pudessem ter alguma coisa a ver com isto.

Então, o que é que aconteceu?

Na Sexta-feira passada, o Primeiro-ministro antecipou um pacote de medidas que deveriam ser apresentadas em Abril. Até aqui tudo bem. É suposto fazermos esforços para transmitir confiança aos parceiros europeus. Acontece que Sócrates fê-lo primeiro às instituições europeias e não aos portugueses como seria de esperar. O compromisso do governo é, em primeiro lugar, com os cidadãos e só depois com as instâncias europeias. Esta omissão, numa altura em que o governo é tão contestado, é algo que cria ainda mais desconfiança.

Portanto, com esta lógica temporal de acontecimentos é natural que o PSD ou qualquer outro partido da oposição transmita ao PR a sua convicção de que o governo não tem condições para continuar. Achar que isto é incoerência por causa de uma moção de censura que antecedeu uma série de factos demasiado relevantes é estar a fazer um joguete partidário a ver se cola. É estar a preparar eleições antecipadas antes mesmo de cair. É um discurso político muito dedicado ao partido, mas pouco dedicado à política.

Já disse aqui várias vezes que não estou certo de que uma dissolução imediata da Assembleia da República possa ser benéfica para a nossa imagem no exterior, num momento em que a nossa capacidade de recuperar é posta em causa por entidades das quais dependemos. No entanto, não posso deixar de aceitar que a oposição o faça. Há motivos mais do que suficientes para tal.



publicado por jorge c. às 13:23
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 15 de Março de 2011
Erros processuais

Uma das coisas que José Sócrates não percebeu antes de subir ao púlpito, ontem, foi que o processo não é fazer o rascunho das medidas com os parceiros europeus para o apresentar aos portugueses a seguir, mas sim o inverso. O Povo é um elemento do Estado, o governo não.



publicado por jorge c. às 14:11
link do post | comentar | partilhar

Por um fio

Vivemos dias extraordinários. Este é o tempo de definirmos o pensamento político contemporâneo. Daí que tenhamos de nos focar naquilo que é o interesse superior do país e não só. A Europa hoje é uma parte fundamental da nossa narrativa política e dela dependemos, tal como ela depende de nós. Os partidos portugueses não podem esquecer isto. A pressa de chegar ao poder é inimiga do interesse nacional. A urgência em derrubar governos não é compatível com soluções imediatas. Daí que seja um pouco triste ver a histeria que por aí anda antes mesmo de terminar o primeiro trimestre.

O que também não pode acontecer é o governo ignorar por completo as instituições democráticas. Se é certo que cada Estado-membro tem de apresentar as medidas de contenção orçamental para os anos seguintes, também se torna claro que uma antecipação dessa apresentação tem de ser devidamente comunicada ao país. Quando isso não acontece a confiança perde-se e dificilmente é recuperada. O governo não é o Estado. O governo representa o Estado.

O que aconteceu nos últimos dias não tem explicação. Se por um lado é verdade que o novo pacote de medidas estava previsto e era do conhecimento de todos que teríamos de o fazer obrigatoriamente em Abril com o propósito de projectar o défice dos anos seguintes, também não deixa de ser verdade que esse esclarecimento nunca foi dado e que o governo, ao antecipar, tinha de o comunicar explicando as razões por que o fazia. Principalmente depois do discurso do Presidente da República e da apresentação da Moção de Censura.

Uma sociedade política não se faz apenas de urgências económicas, mas também de confiança política. Essa confiança já não existe e resta apenas a execução orçamental. Quando assim é temos de ser pacientes. Mas já não podemos ser complacentes com discursos de defesa governamental.

Ontem, José Sócrates fez o seu último discurso de vitimização.



publicado por jorge c. às 13:15
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 11 de Março de 2011
O casting esquecido

Quando este governo tomou posse, muitos cidadãos e cidadãs ficaram admirados pela falta de magnitude de alguns dos novos elementos. Foram muitos dias sem se saber quem iria ocupar as pastas da governação, muito suspense para depois aparecer aquilo a que muitos chamaram de "um governo de segunda linha". O spin é que se tratava de um staff mais técnico para resolver problemas urgentes e que necessitavam de gente relacionada com as áreas em causa. Não convenceu mas passou. Ao longo dos últimos meses há ministros que desapareceram e outros que nada acrescentam. Pássaro, Canavilhas, Mendonça e André são alguns exemplos. Eu desafio até os meus queridos leitores a lembrarem em menos de 10 segundos que o ministro da Defesa é Augusto Santos Silva ou que Vieira da Silva é o ministro da Economia. Pois é.

Em rigor, este é o governo menos preparado politicamente para dar uma resposta de confiança e esperança aos portugueses. É o governo com ministros com menos dimensão para negociar em planos delicados que não passam apenas por variáveis que estão directamente ao seu alcance. É o caso de Helena André para esta concertação. A ministra que ontem parecia estar ensonada no debate, que parece estar a leste das questões graves que o seu ministério está a criar e não dirige uma única palavra de verdadeira e efectiva confiança ao país. Não é assim? Pois parece, e nestas coisas...



publicado por jorge c. às 14:17
link do post | comentar | partilhar

Presente e Futuro

"A zona euro continua a ser uma coleção dos Estados soberanos. Esse é que é o nó da questão."

 

Esta conclusão está lá bem no fundinho deste artigo e é, só por si, um artigo. Mas é interessante lermos o que se está a discutir em toda a Europa e observar a discussão ao nível pátrio. É claro que o Governo português tem razão quando diz que é de um provincianismo atroz discutir uma moção de censura sem referir o peso maior da crise internacional e a situação político-económica da União Europeia. Lemos e percebemos que há decisões políticas a tomar. Chegamos a um ponto em que o federalismo europeu tem de ser trazido à colação, de vez.

Para mim, enquanto soberanista, é difícil entrar neste assunto com imparcialidade, mas com o cenário actual só se pode enfrentar o bicho de caras. Há interesses superiores. O federalismo é uma solução. Mas, haverá outras soluções? Eu julgo que sim, que absorver politicamente o destino económico e social da União Europeia passa por ingerir na cultura e nos costumes de cada Estado-membro. É inevitável. E quando falo de cultura falo em todos os instrumentos industriais de fabricação - chamemos-lhe assim - cultural. Por isso tem de existir uma solução alternativa. Mas, isto seria uma outra discussão.

É importante agora compreender o que se vai passar no Conselho. Soubemos hoje que a Comissão Europeia está satisfeita com as medidas tomadas pelo Governo português, o que é um bom sinal nem que seja por uma questão de autoridade moral face aos nossos parceiros europeus. Nós fizemos a nossa parte, agora façam vocês a vossa. É tempo de parar uma pressão dos mercados que deixou de se justificar e que já não está ao nosso alcance responder.

Contudo, não se pode falar de Europa para umas coisas e negá-la noutros aspectos. A situação a que Portugal chegou talvez fosse evitável se o Governo tivesse percebido a tempo (em 2008) que era preciso interromper algum investimento e tomar algumas medidas de precaução. Não por causa dos assustadores mercados e do risco abstracto a que nos colocam agora mesmo, mas antes porque tinha um compromisso formal na contenção de contas públicas assumido com todos os Estados-membros, nomeadamente os limites do défice. A responsabilidade do Governo, nesta matéria, reside precisamente aqui. E não se pode esconder esta realidade com o argumento da "crise internacional". É uma desresponsabilização que tem de ser bem colocada em cima da mesa. Porque senão era escusado termos Governo. O problema é que isso seria dar razão a Manuela Ferreira Leite. Uma chatice.

Temos então três tópicos em cima da mesa: a responsabilidade interna do Governo; a resolução imediata do problema da dívida; e o problema nuclear do sistema político europeu.



publicado por jorge c. às 11:12
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 10 de Março de 2011
Um ponto a seu favor

Há algo que ressalta do discurso do Presidente, como já disse. Esta tomada de posse mostrou que sabemos que neste momento o PR será um desbloqueador de crise política na eventualidade de ser inevitável afastar o Governo. Isto porque o PR marcou bem uma posição ao avisar o Governo sobre a forma como este deturpa a realidade.

Analisar as palavras de Cavaco passa muito por perceber a acção de Sócrates. É que apesar do ruído dos socialistas, o mandato anterior começou com uma vontade de cooperação por parte do PR, vontade essa que foi ridicularizada e que é agora choramingada pelos próprios, na figura de Francisco Assis. Esta posição dos socialistas em relação a Cavaco é essencialmente hipócrita. Antes de Cavaco começar o primeiro mandato já os socialistas lhe viravam a cara.

Fará, assim, algum sentido a agressividade política de Cavaco? Julgo que sim. Estamos a falar de um Governo que negou a crise financeira através do seu Ministro da Economia quando ela estava a explodir; um Governo que logo depois de falar em recuperação iniciava um novo plano de austeridade; um Governo que não assume responsabilidades quando confrontado com as exigências da política europeia a que está vinculado. Estas questões não são de menor importância. Se não é possível falar da crise nacional sem mencionar a internacional, tal como foi repetido ontem até à exaustão e foi motivo suficiente para os socialistas chamarem antipatriota a Cavaco, também não é possível colocar Portugal num cenário de crise internacional sem responsabilizar a sua governação.

Posto isto, é evidente que o PR tem de assumir uma postura dura e crítica em relação ao Governo mesmo que, no limite, isso implique uma medida mais drástica. Ontem ficou mais ou menos claro que é esse Presidente que temos.



publicado por jorge c. às 09:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011
A distinta lata

Já todos havíamos reparado que este era o governo da rankingocracia. E neste sistema de rankings, estatísticas, resultados em números, o governo parece empenhado em continuar a tomar os cidadãos por parvos. Eu acredito que não seja por mal e que sejam todos muito boas pessoas até prova em contrário. Acredito mesmo que seja por inépcia na avaliação de uma realidade pouco manipulável, aquela que há um mês atrás desabou sobre o mais fundamental dos direitos em democracia. É claro que estamos melhor do que antes do 25 de Abril, do que há 20 ou há 10 anos atrás. Mas se com os ovos à frente nem omeletes se fizesse seria a mais patética das incompetências. Devemos a este governo bastantes coisas no plano tecnológico. Mas um pouco de honestidade e menos retórica de vitimização não lhes fazia nada mal. Do que já estamos todos muito fartos é deste discurso que dá a entender que isto afinal está tudo espectacular. Não está, porra! Não está.



publicado por jorge c. às 14:44
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011
O vazio no poder

Fará algum sentido deitar um governo abaixo nesta altura? Em circunstâncias normais, esta pergunta teria sempre a mesma resposta: o Governo é sempre derrubável quando não dá resposta às necessidades do Estado e não consegue resolver problemas urgentes, mostrando, como já disse, falta de liderança. Julgo que ninguém tem dúvidas que este é esse preciso momento. Até o Primeiro-ministro sabe isto - a notícia espalha-se depressa.

Acontece que o momento político não é tão linear assim e junta-se a esta falta de liderança uma incapacidade da oposição de ser uma solução alternativa. Não conhecemos do único partido com representação suficiente para constituir alternativa - o PSD, caso não se tenha percebido - uma única posição firme sobre a política monetária da UE. Não conhecemos do PSD uma única ideia objectiva sobre problemáticas internas actuais como a Educação ou a Saúde. Não conhecemos do PSD qualquer iniciativa que responda às frustrações laborais tanto dos desempregados como dos precários.

Não se trata apenas da defesa do Estado Social, como enchem a boca os socialistas tabelados, mas de necessidades prementes a que é preciso dar resposta. Junta-se a isso um conjunto de indefinições europeias que deixam o país (partidos à parte) num impasse. E é precisamente esse impasse que determina a salvaguarda da estabilidade governativa e o perigo de uma queda imediata. Isto não significa que a realidade não possa ser outra daqui por 6 meses, um ano, por aí... Todavia, para isso é necessário uma alternativa de conteúdos que, neste momento, bem vistas as coisas, não existe.



publicado por jorge c. às 09:27
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011
Futuro próximo

Esta análise da Economist às presidenciais portuguesas é muito interessante porque assenta essencialmente em política, de facto. É qualquer coisa a que não estamos muito habituados. Os nossos analistas estão mais preocupados com o seu ego e os seus problemas dermatológicos do que com a análise política livre e lúcida.

Do Presidente da República espera-se que saiba ponderar bem o grau de crise política. Ela existe, é indesmentível, apesar do governo assobiar para o lado. É importante que o PR não contribua para o seu agravamento, mas que também não tape os olhos à incapacidade de liderança e de responsabilidade do Governo com os eleitores e os compromissos internacionais. E aqui está um dos temas que, confesso, me fez confusão não ver abordado na campanha eleitoral: a Europa.

O dia seguinte destas eleições é, sobretudo, de expectativa. Muito embora a previsibilidade de Cavaco Silva nos garanta que, pelo menos, nada de bombástico acontecerá se não houver um apoio significativo da opinião pública. E o Governo treme, claro.



publicado por jorge c. às 13:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 12 de Janeiro de 2011
They locked up a man who wanted to rule the world, the fools, they locked up the wrong man

Gostava imenso de saber mais de economia para poder compreender todas as desculpas possíveis para desresponsabilizar governos. É claro que eu discuto sempre da perspectiva da ignorância e longe de mim criticar gente tão informada e conhecedora das circunstâncias.

O meu problema é que eu tenho uma tendência para a assunção de responsabilidades em política, e por mais que a economia esteja sempre dependente das tais circunstâncias e se torne muito difícil prever o comportamento dessa corja de malfeitores que por aí anda à solta no mundo, não posso deixar de acreditar que a prudência e a responsabilidade são factores chave para a antecipação de problemas. Ufa, que grande frase...

Posto isto, restam-me algumas questões. O governo português, ao que se sabe, está integrado, juntamente com o Estado que representa, numa União Europeia. Assim de repente, o governo é bem capaz de estar a par das restrições orçamentais a que essa União obriga. Não será que, nesse sentido, seria de assumir a responsabilidade do não cumprimento daquilo a que se comprometeram perante os seus pares? Seria também interessante perguntar a razão de colocar a culpa num partido europeu. Tenho uma péssima memória e um arquivo pobrezinho mas, se não estou em erro, foi o actual governo que promoveu e assinou o Tratado de Lisboa, conhecendo os riscos  das imposições dos países mais fortes e conhecendo a estrutura política da UE. Se calhar aproveitava o facto de estarmos aqui todos e perguntava se faz sentido basearmos a nossa posição relativa a responsabilidade política em factores hipotéticos e sistemas financeiros que não existem, ou se era capaz de ser mais lógico responsabilizar a política pelo sistema real e efectivo em que ela assenta.

Em todo o caso, por amor de Deus, não quero estar aqui a pôr em causa a verdade do sistema financeiro que corrompe o homem e assumo desde já toda a minha ignorância. São só algumas questões que me surgiram durante a noite e nestas coisas devemos sempre falar para não ficar com nada cá dentro, não vá o diabo tecê-las.



publicado por jorge c. às 11:05
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010
Anda-se muito distraído

É perceptível naquilo que escrevo sobre Passos Coelho que não simpatizo com a sua persona política. No entanto não o subestimo. Tal como Sócrates, Passos é um homem das maroscas eleitoralistas que envolvem os partidos nas suas bases e que alimentam as máquinas das concelhias e distritais. Portanto, nem é ingénuo, nem tampouco burro.

Aqui, neste preciso momento, podemos verificar isso mesmo. O PS andou semanas a colocar a pressão do lado de Passos Coelho. Os mais distraídos não terão reparado na calma do líder do PSD. É que, agora, depois de todos os apelos, o PSD consegue colocar o ónus da responsabilidade da aprovação do OE no Governo.

É uma jogada política? É, claro. E muito bem feita, por sinal.



publicado por jorge c. às 10:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Sábado, 16 de Outubro de 2010
Um pedido

Tenho esta dúvida que não me sai da cabeça. Se o Governo reconhece uma crise e se conhece as pressões orçamentais da Europa, por que razão - expliquem-me, por favor - insistiu num positivismo que, a avaliar por este orçamento, não fazia qualquer sentido? É uma questão simples. Se me puderem esclarecer, aqueles que têm estado do lado do Governo, eu agradecia. Há aqui uma caixa de comentários... sintam-se à vontade.



publicado por jorge c. às 13:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Estamos todos tão cansados

É a maior trapalhada orçamental dos últimos 25 anos, certamente. Depois de 5 anos a convencer o país que o programa do PS era um tratado de progresso, Sócrates conseguiu desresponsabilizar-se da sua ilusão, convencer uma série de pessoas de que isso está correcto e ainda colocar o ónus da responsabilidade na oposição. É, de facto, a maior aberração política dos últimos 25 anos, certamente.

Depois de centenas e centenas de avisos sobre o risco de endividamento, depois de centenas e centenas de avisos sobre o risco de um défice excessivo, depois de centenas e centenas de avisos sobre a fragilidade do investimento, aí está o Orçamento de Estado a fazer os contribuintes pagarem a cegueira e a arrogância do Governo de José Sócrates.

Perdão, estarei certamente a atacar pessoalmente os elementos do Governo e a ser demagógico. Claro. 5 anos nisto. Estamos todos tão cansados.



publicado por jorge c. às 09:05
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010
O fim do sonho

Não irei dizer nada de novo neste post. Venho apenas reforçar o que tenho dito nos últimos dois anos e meio. Depois de tudo o que se disse, de todos os avisos sobre o estado das contas públicas, do irrealismo do Governo, da necessidade mais do que evidente de acautelar a despesa, de uma forma absolutamente intolerável e pornográfica, há quem não tenha vergonha e venha defender a governação do Engº Sócrates. É de um desplante sem nome.

O país recebe com tristeza a austeridade do novo plano de reequilíbrio das contas. A verdade é que a necessidade destas medidas é inegável. O que se deve, portanto, discutir é toda a ilusão que o Governo socialista andou a vender durante os últimos anos. Não, as coisas não estavam bem, a crise não tinha acabado, as empresas não tinham capacidade de resposta por falta de medidas preventivas da recessão e o grande investimento público deveria ter sido suspenso. Agora, vai tudo. Parece que os catastrofistas, os alarmistas e toda essa gente do lado do mal tinha alguma razão para recear um tempo em que estas medidas tivessem de ser tomadas. Quem paga somos todos, não é o vizinho do lado. Mas a vitimização e os atestados de ignorância soam sempre melhor a quem julga viver num lugar transcendente onde tudo é possível se fecharmos os olhos e fizermos muita força.



publicado por jorge c. às 16:56
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Terça-feira, 28 de Setembro de 2010
Calimerice

Confesso que ainda hesitei antes de comentar aqui este post de Domingos Farinho. Não queria ser catalogado como um odioso opositor do Governo, por Deus, nem pensar! Mas esta calimerice chateia-me e, com o devido respeito, Domingos, isso foi de Calimero (nós, os iletrados, só sabemos relacionar com coisas menores como desenhos animados).

Não querendo alimentar qualquer polémica com o lado do bem, tudo aquilo me merece meia dúzia de palavras. Em primeiro lugar, torna-se cansativo esta teoria de que estão todos mal e só o Governo é que fala com clareza. Isso não é verdade. Mas parece-me ser um vício do pensamento político afirmar estafadamente que "vai toda a gente ao contrário, só o meu filho é que marcha bem".

Em segundo lugar, tendo em conta os dados a que vamos tendo acesso, e eu confesso-me um leigo em matéria económica, não me parece muito correcto entrar no discurso de que os comentadores é que alimentam isto, os jornais alimentam aquilo, a oposição é responsável por aqueloutro. Os índices de que vamos tendo conhecimento são também (vá lá, admitamos, só um bocadinho) uma causa da governação, senão o Governo não estava ali a fazer nada e estar ou não estar ia dar à mesmíssima coisa.

Em terceiro lugar, quando li aquela parte da "linguagem agressiva e hiperbólica, a ausência de fundamentanção, o excesso descredibilizante, a confiança cega nos aliados, a demonização total dos inimigos, a divisão do mundo entre aliados e inimigos", juro que achei que o Domingos se iria referir à quantidade absurda (isto não é uma hipérbole) de barbaridades que disseram de Manuela Ferreira Leite. Mas afinal não. O Domingos prefere pegar nisso e calimerizar mais um pouco o pobre Governo vítima de bulling político.

Por último, merece-me também um comentário a parte dos "iletrados". É provável que o Domingos viva num meio erudito. Mas o cidadão comum que não tem acesso a informação especializada vive muito da informação politizada, chamemos-lhe assim. Isso irá certamente determinar o seu juízo livre. A sensibilidade política do cidadão não depende de factores específicos, técnicos, mas da sua percepção da realidade segundo a multiplicidade de informação que lhe chega. E é hoje perfeitamente legítimo desconfiar da governação. O que não parece muito lógico é a vitimização do poder 5 anos e meio depois.


tags:

publicado por jorge c. às 20:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds