Sexta-feira, 14 de Junho de 2013
o provador de venenos

O último jornal em papel que comprei foi o Jornal de Negócios, à terça-feira. Na altura, estava num emprego demasiado aborrecido e o mundo estava a mudar a uma velocidade vertiginosa. Como não percebia (e não percebo) nada de finanças e economia, resolvi socorrer-me da coluna que o João Pinto e Castro escrevia para o Negócios. Raramente concordava com ele. Mas, uma coisa era certa: podia contar com a seriedade do JPC, com factos e com debate de ideias. Ler o João ajudava-me a pensar.

Foi assim, primeiro na blogosfera e, mais tarde, no twitter. O JPC trazia sempre elegância. Tinha um gosto musical extraordinário, era cultíssimo e dono de uma arrogância necessária para estabelecer fronteiras.

Apesar de termos trabalhado no mesmo sítio durante 2 anos, nunca chegámos a conviver. Não fazia sentido. Ou se calhar fazia mas, o problema desta merda toda é que não há tempo.

Até já.



publicado por jorge c. às 15:00
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 12 de Fevereiro de 2012
A rapariga só queria dançar com alguém


publicado por jorge c. às 11:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Terça-feira, 16 de Agosto de 2011
A Herança

 

Contam-se muitas histórias e mitos no mundo do Fado. Muitas delas sobre figuras que tornaram o Fado mediático: Amália, Marceneiro, Lucília do Carmo, Maurício e muitos outros. Mas, há personagens que habitaram a vida do Fado bem por dentro e que ficaram sempre na sombra dessas glórias.

Há alguns anos, contava-me um amigo que certa vez, numa casa de fados em Lisboa, questionava o Mestre Fontes Rocha sobre aquilo que estava a ensaiar naquele momento. Era uma malha de guitarra muito bonita e um pouco diferente da estrutura tradicional. Respondeu-lhe o Mestre Fontes que tocava aquilo "no compasso do Bolero de Ravel".

Era um músico extraordinário, de uma criatividade invejável. Saído do conjunto do velho Nery, destacou-se ao lado de Amália Rodrigues e, juntamente com Oulman, ajudou a dar ao Fado uma nova roupagem que o levaria a palcos nunca antes pisados por estes músicos populares, a outros mundos.

Deixou a maior de todas as heranças - um neto que é, hoje, um dos artistas maiores da música portuguesa; um erudito de seu nome Ricardo Rocha.

Morreu ontem, o velhinho Fontes, Mestre do Fado, uma história dentro de outra história.

 



publicado por jorge c. às 22:36
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 9 de Julho de 2011
Não há tempo

Quando as referências começam a desaparecer, começamos a temer que algo de bom se perca, uma orientação, uma estrela. Há qualquer coisa de espiritual nas nossas referências. Olhamos para elas como criaturas abençoadas pela clarividência ou pela transcendência. E, nesse sentido, tem sido uma semana negra.

Hoje, vejo partir um homem que muito me ensinou. Mais do que a música que fez, da qual não sou propriamente um fanático, Jorge Lima Barreto foi o meu guia espiritual na compreensão da música, da sua história, da sua estrutura, da sua estética e da sua sociologia. Foi ele que me ensinou a pensar na música popular como um fenómeno sociológico e a abstrair-me dos hypes e dos underdogs para identificar aquilo que é verdadeiramente criativo.

Da sua obra, destaco a Anarqueologia do Jazz e Rock & Droga. Nestas duas obras compreendemos a importância da música popular na cultura civilizacional contemporânea. Lima Barreto foi um visionário e, mais do que isso, um pedagogo, apesar de incompreendido e pouco divulgado. Dizia-se que os eruditinhos da musicologia tinham renegado Lima Barreto por não considerarem a música popular contemporânea uma arte digna de ser estudada. Se assim foi, perdemos todos muito com essa ignorância e preconceito. Mas mais perdemos com o desaparecimento desta figura ímpar da nossa cultura, o eterno companheiro de Vitor Rua por esses becos sinistros e obscuros da música, da estética... enfim, da arte.

Não há tempo.



publicado por jorge c. às 15:07
link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 7 de Julho de 2011
Referências

Nasci numa terra maioritariamente comunista. Cresci numa pequena vila no concelho de Matosinhos, socialista, que mais tarde se tornaria cidade. Durante a minha adolescência, a tendência política da minha geração (e não só) era a esquerda. Ser de direita era difícil. Nessa fase queremos e procuramos sempre uma irreverência que provoque os mais velhos e juntamo-nos em bando porque confundimos ideias e convicções com descontentamento pessoal e com a legítima inquietação da idade. Ao contrário da opção dominante, educado num universo social-democrata, mesmo na estrutura e conduta familiar, nasci na direita e aí me cultivei politicamente. Estive muitas vezes sozinho. Quase sempre. Mais tarde encontro dois amigos, o David e o Ricardo, com quem partilharia a mesma opção. Mas, nos momentos de solidão política questionei muito as minhas convicções. Não queria que fossem aquilo que combatia dentro da minha geração: uma irreverência fútil e uma confusão de ideais e um afastamento desmesurado do interesse nacional. Foi nessa altura que descobri algumas das figuras que passariam a representar, para mim, o ser-se de direita. Eram figuras de uma enorme independência e com manifesta vontade de servir a causa pública; exemplos de cidadania e de solidariedade e, sobretudo, pessoas intelectualmente honestas que discutiam fora do lugar comum e do pensamento único. Uma delas, Adriano Moreira, havia sido ministro de Salazar. A outra, Jaime Nogueira Pinto, um seu fiel defensor. A terceira pessoa era uma mulher, uma mulher forte e segura das suas convicções. A sua dedicação e coragem fascinavam-me. Ensinou-me a não ter medo, essa senhora extraordinária. Aprendi com estas três pessoas, sem nunca me ter cruzado com elas, a não ter vergonha ou medo de assumir aquilo em que acreditava, mesmo que isso não fosse respeitado. Agora, eu sabia que também tinha lugar dentro de uma democracia monopolizada pelos ideais de esquerda e que era preciso combater todos os dias, num jogo sempre limpo, leal e honesto. Penso muitas vezes nestas três pessoas que serão sempre a minha maior referência na política portuguesa. Morreu Maria José Nogueira Pinto e eu estou muito triste.



publicado por jorge c. às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 28 de Maio de 2011
Morreu um poeta

Podemos dizer que todos os poetas, no fundo, são revolucionários. Uns mais do que outros. A poesia tem a força que mais nenhuma literatura tem: a de nos marcar o seu próprio ritmo encrostando-se visceralmente na mais profunda das intimidades. O reforço do ritmo e de uma breve nota persistente podem desencadear a libertação, nem que seja de uma pobre alma estafada. Mas, nada mais é preciso muitas vezes que a assertividade do spoken word, mesmo que alcoólico, mesmo que velho e arrastado. E quando um poeta morre essa revolução interior fica comprometida. Não mais lhe ouviremos a prece.

Morreu o Gil-Scott Heron.

 



publicado por jorge c. às 09:02
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 30 de Março de 2011
É assim, a vida

 

Estas coisas padecem sempre de uma ironia que acaba por nos confundir. O sentido da vida e outros contos; Deus, 2011. Tem um ar de obra continuada, prolongada e consistente. É uma prática reiterada da linha editorial do Além que deixa a malta do Aquém ansiosa e à espreita, não vá o Diabo tecê-las. É sempre assim, uma no cravo e outra na ferradura. E um tipo tem de andar alerta. Razão têm os escoteiros, mas isso são outros quinhentos.

Na mesma semana em que Souto de Moura é premiado com o grande galardão da Arquitectura, vai de falecer o seu fiel amigo e conterrâneo por opção, o grande Ângelo de Sousa. E não deixa de ser curioso que a última vez que os ouvi estavam juntos a falar daquele edifício ali, em Veneza, e na forma como surpreenderam tudo e todos com o seu original estaleiro. Coisas que levamos para a nossa tumba, de alma lavadinha. Não há bela sem senão.



publicado por jorge c. às 02:18
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 29 de Janeiro de 2011
au revoir, zé pedro

Nunca nos conhecemos. Há quase dois anos que nos namorávamos de post em post, de dedicatória em dedicatória. Era como um velho amigo, mas um amigo de letras, da bondade e da beleza das frases. Cultivei por ele um respeito e uma admiração difíceis de acontecer sem uma relação pessoal. Tal como eu, gostava dos pormenores dos despropósitos e via o que a cortina escondia da grande cidade. Sempre sem rancor. Talvez por isso não encontre melhor canção.

 



publicado por jorge c. às 12:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011
Shriver

 

Morreu Sargent Shriver. O Washington Post faz um perfil de um grande político americano. E já agora, o post do Nuno Gouveia.



publicado por jorge c. às 01:15
link do post | comentar | partilhar

Sábado, 18 de Dezembro de 2010
rumba imortal

 

Toda a gente queria fazer música como os Nirvana ou como os Clash. Eu queria fazer como o Captain Beefheart. So long!



publicado por jorge c. às 10:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 30 de Outubro de 2010
A vénia final

O João Paulo Seara Cardoso. Trata-se assim de uma frase porque dela consta um sujeito e um predicado. Um homem extraordinário, um criador que fez muito por todos nós, só porque se levantou da poltrona. Não é só o Teatro de Marionetas do Porto que perde o seu pai, é o teatro e o mundo que perdem um dos seus mais brilhantes e fiéis criadores.



publicado por jorge c. às 14:02
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010
Não há tempo

Foi Saramago que deu o nome a este blog. A sua morte é por aqui encarada não só com todo o respeito que um bom rival merece, mas também com a tristeza de ver partir um bom escritor, alguém que escreve algo que nos marca, tanto estilística como literariamente, não obstante outros dislates e despropósitos. Saramago era um homem rancoroso com o mundo, com Deus, de que tanto falava enquanto dizia não acreditar, e por isso desejo apenas que encontre a paz que nunca quis ter por manifesta insatisfação.



publicado por jorge c. às 13:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 14 de Maio de 2010
Não há tempo

Revejo-me totalmente nestas palavras do Pedro Lomba.



publicado por jorge c. às 14:41
link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 11 de Maio de 2010
Mário Montalvão Machado

Sempre discreto, a relevância de Montalvão Machado em Matosinhos é reconhecida ainda hoje. Fundador do PSD, grande advogado e um exemplo de seriedade. Morreu hoje uma das maiores referências deste concelho.



publicado por jorge c. às 12:49
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 12 de Abril de 2010
Da dignidade

A morte de Nascimento Rodrigues trará, certamente, muitas homenagens de reconhecida justiça. Aqueles que melhor conhecem o percurso do ex-Provedor de Justiça fá-lo-ão com muito mais rigor do que eu. No entanto, não posso deixar de o assinalar aqui com uma pequena nota para chamar à atenção daquilo que foram os últimos 2 anos da vida pública do venerando jurista.

Com efeito, é de todo lamentável que apesar dos seus apelos para abandonar o cargo, com a legitimidade que o conferia o fim de mandato, o Estado português entrasse numa vaga de indecisão prejudicando não só a vida pessoal de Nascimento Rodrigues como também o funcionamento de uma das instituições cruciais da democracia portuguesa e, acima de tudo, do contacto mais próximo que o cidadão pode ter com a justiça do seu país.

Trata-se, em rigor, de um atentado à dignidade de qualquer cidadão. A forma como não abandonou responsabilidades que já não lhe competiam formalmente faz deste homem um exemplo de dedicação à causa pública - o exacto oposto daquilo que lhe fizeram.

Que agora, pelo menos, saibam homenageá-lo com o respeito e admiração que não tiveram quando mais precisou.



publicado por jorge c. às 18:12
link do post | comentar | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds