Quarta-feira, 16 de Outubro de 2013
o partido único de josé sócrates

A mitomania é uma característica de muitos políticos. E isto não tem de ser um problema. A não ser, claro, quando ganha traços de alucinação.

Numa entrevista a José Sócrates, que o Expresso publicará, o antigo Primeiro-ministro diz (e tentem não desatar logo à gargalhada) que é o "chefe democrático que a direita sempre quis ter". O riso é inevitável, bem sei. Mas esta afirmação de Sócrates revela muito da natureza de uma parte significativa dos socialistas. 

Por um lado, são a esquerda democrática, por outro o que a direita queria. Percebe-se bem a motivação de partido único em democracia que o PS tem. À semelhança da governação de Sócrates ou Guterres, o próprio partido vai passando entre as gotas da chuva a tal velocidade que acaba por tornar-se dominador do espaço ideológico. E é aqui que nasce o tenebroso sectarismo do Largo do Rato - o partido daqueles que são bons e justos e únicos. Todos os outros são uns cretinos de direita ou uns irresponsáveis de extrema esquerda. E apenas há lugar no seu reino para aqueles que com eles concordam. É uma doença sem limites que gera a sua atracção a partir do Largo do Rato, aproveitando aquela arroganciazinha urbana da capital.

Sócrates cresce politicamente neste contexto. Pelo que não é de estranhar que se ache um "chefe democrático", um líder, como um facho que alumia. Esta teoria pega naqueles que olham para o PS como o único partido credível em democracia. Não pega com mais ninguém, felizmente. 

 

(Já sabemos que escrever sobre José Sócrates implica sempre um conjunto de observações: a insídia, o ataque pessoal, a culpa é sempre do sócrates, etc., uma maçada de uma conversa que temos de aturar porque há gente que lida mal com a crítica. É a vida.)



publicado por jorge c. às 17:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 13 de Julho de 2011
O trigo e o joio

Gosto de Francisco Assis. Gosto, sobretudo, do orgulho e da coragem com que afirma ser um político. Assis tem uma noção da política que me é muito cara, não obstante o que nos separa ideologicamente. Acima de tudo, é uma visão ampla da política, sobre a estrutura e instrumentalidade do debate político.

Estas eleições internas do PS são, por isso mesmo, bem mais interessantes do que as que opuseram Sócrates a João Soares e Manuel Alegre. A sua principal tónica está naquilo que distingue um bom político de um político ligeiro. É um frente-a-frente entre a política inteligente, estruturada e de conteúdos e a vacuidade e futilidade do aparelhismo medíocre de que António José Seguro é, hoje, um rosto visível.

Não que o debate actual do PS seja interessante mas, há algumas discussões que podem ter uma enorme relevância para pensarmos melhor o tipo de política com que queremos viver. E não estando muito certo de que a proposta de Assis para primárias dentro do PS seja viável, é, no entanto, uma excelente discussão porque nos permite questionar quais as melhores formas de promovermos a participação e a cidadania ou, até, de termos noção dos índices de interesse que os cidadãos revelam. Contudo, não posso deixar de recear um resultado contraproducente e o caminho para o triunfo descontrolado do populismo. Teoricamente, a ideia é boa, admito. Na prática, pode ser um problema sério.

Outra questão levantada por Assis é a da afectividade. Pego aqui num post do Serras, por falta de link para as declarações de Francisco Assis que acabei por não ouvir. É cada vez mais importante demonstrar que a política não é um jogo de afectos. É certo que nos devemos empenhar. Mas, que isso nunca se confunda com afectividade, com emoções que, como o próprio diz, fazem parte de um universo privado, de relações pessoais sujeitas a outras regras. Nos últimos anos, isto tem destruído o debate político.

O Partido Socialista só tem a ganhar com Assis e a direita teria aqui um desafio muito interessante e um contributo para melhorar. Porque é também com os nossos adversários que aprendemos, para mal e para bem.



publicado por jorge c. às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quinta-feira, 28 de Abril de 2011
Democracia às vezes

Eu nem sou de intrigas, mas o sr. Poul Rasmussen é uma pessoa com problemas, não é?

Em primeiro lugar, o Presidente do PS europeu acha que a Europa está mal entregue no Parlamento que é o único órgão que ainda é eleito democraticamente por todos os cidadãos europeus. Portanto, o sr. Rasmussen primeiro acha que os especuladores estão a desgraçar as democracias, mas depois não acha nada bem que pessoas escolham livremente o Parlamento que entendem. Uma pessoa até fica baralhada. Mas há aqui um padrão. Honra seja feita aos socialistas europeus que são todos muito coerentes: ou eles ou o fim. A democracia é fixe, mas só quando se vota nos socialistas. Mais à esquerda temos os radicais irresponsáveis; à direita, os conservadores maus que têm como objectivo último destruir a humanidade. Só os socialistas querem o nosso bem. Somos mal agradecidos.

É também interessante como Rasmussen considera que a Europa está nas mãos erradas pelo lado da imposição da austeridade. Eu não sei o que ele andou a fazer estes anos todos, talvez os seus camaradas saibam, mas a União Europeia não determina descricionariamente muitas das regras que o senhor tanto critica. São regras estabelecidas, assinadas e ratificadas em Tratados por todos os Estados-membros. Não quer isto dizer que elas estejam absolutamente correctas, também acho que não estão. Mas quer dizer que, pelo menos, devemos cumpri-las enquanto estão em vigor porque se queremos uma prática solidária temos de ser responsáveis e mostrar que o somos e não querer mudar de regras a meio do jogo sempre que não são do nosso agrado.

Mudar de regras, de rumo e de filosofia monetária importa, acima de tudo, responsabilidade e continuidade. Os socialistas parecem não saber o que isto é. A culpa, claro, é da democracia.


tags: , ,

publicado por jorge c. às 11:14
link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 27 de Abril de 2011
A chantagem, a dúvida e o raio que os parta

Com os disparates consecutivos que o PSD anda a fazer, nem nos dá tempo para dizer mal do PS. Eu adoro desporto e entre correr 7 km's ou dizer mal do Partido Socialista fico sempre indeciso. E há muito espaço, atenção! O PS é o partido mais escorregadio de sempre da política portuguesa. Até o O'Neill sabia isso. E vocês também sabem, que eu sei. Nunca confiar num partido socialista cujos governos foram os que mais privatizaram em Portugal. É estranho. Ainda assim, e estando a par da malabarice nas entranhas do Rato, a malta ainda o defende porque - convenhamos, por amor de Deus - é o verdadeiro partido da esquerda democrática e republicana e séria e responsável e cuidado com o papão que ataca no armário a partir das duas, qual raparigas do Conde Redondo.

O descaramento dos socialistas a tratar as incoerências dos outros é fascinante. Sobe-se o tom, dramatiza-se um erro e está a tenda armada para o circo. Uma muito óbvia nos dias que correm é a da falta de programa. Isto como se o PS tivesse aí uma extensa proposta de resolução nacional que não a conversa de saco que apresentou em 2009 e que manifestamente não é uma alternativa à situação actual nem tão-pouco tem força revigorada para vingar a sua credibilidade. É que uma coisa é a irresponsabilidade de provocar eleições num período de ataques à credibilidade financeira do país e em que era preciso uma demonstração da força soberana, e outra completamente diferente é a sustentabilidade governativa de um executivo sem soluções e gerador de desconfiança institucional. O PS não se pode esquecer que, mais cedo ou mais tarde, o Governo caía. E caía bem. Era tudo uma questão de compassos mais oportunos.

No entanto, como se nada se passasse e estes tivessem sido os melhores 5 anos das nossas vidas, como aliás se viu naquela demonstração de culto ao Chefe no congresso socialista sem uma linha divergente, sem autocrítica, aí está o PS e os seus apoiantes independentes e imparciais a tentar convencer a populaça que se o PSD ganha é o fim do Estado Social. Ora, se para fazer uma alteração à CRP é quase preciso um tipo dar a mãe e o pai de penhor, era agora o PSD que ia acabar com o Estado Social só porque sim, porque lhes apetece. É preciso um descaramento que nem Iago teve na diabolização do Mouro. Outros Otelos, a mesma dúvida instalada.

Em rigor, estamos a assistir à mais vil chantagem psicológica feita por um partido em democracia: ou nós ou o fim. Este mesmo discurso repetido como um mantra - qual União Nacional!

E valerá a pena continuar a confiar neste discurso do PS? Não é só de Sócrates, é do PS, porque quem alinha em tudo não deixa de ser cúmplice desta aldrabice.

 



publicado por jorge c. às 11:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 13 de Abril de 2011
Um erro

Confesso que não acompanhei o congresso do Partido Socialista com atenção. Nunca é nada de verdadeiramente interessante, não apenas pelo PS ser um partido desinteressante, como também por já esperar a ostentação da propaganda interna e da ideia de que a culpa, em momento algum, é "nossa". O PS é um partido dissimuladamente sectário. Ao contrário do PCP que é assumidamente sectário e onde há uma absoluta submissão partidária, no PS passa sempre a ideia de "partido da democracia" e da pluralidade, o que de facto não acontece como bem se pôde constatar com a total falta de noção da realidade e da responsabilidade que o PS tem efectivamente na conjuntura actual. Os seus militantes e simpatizantes viraram-se para Meca. E isto é muito mais perigoso porque nunca sabemos o que realmente pensa o partido para além da propaganda e do spin.

Com o país a viver um período de instabilidade sócio-económica, negar responsabilidades governativas é uma postura com traços pouco democráticos e de um servilismo que não deve ser tolerável no debate político democrático. É claro que o PS tinha necessidade de se galvanizar e que este congresso seria importante para unir o partido para uma eleição para a qual sai bastante fragilizado, a avaliar pela opinião pública mais mediática. Isto não significa, porém, que um congresso inteiro seja dedicado ao principal partido da oposição como se os papéis da governação estivessem invertidos. A culpabilização de que falou, por exemplo, Luís Amado, não é o caminho. Faltou ao PS contrariar a falta de soluções. É que o PS também não as tem, não sei se todos reparámos. Muita emoção e amizade e coesão, mas definição de conteúdos: zero.

É verdade que a unidade parlamentar em torno do PEC falhou numa altura em que não poderia acontecer. Mas também é verdade que não há certezas sobre a boa-fé do Governo na natureza dessa crise política. Muito pelo contrário. Também não podemos esquecer que num cenário inicial de crise, sem sabermos muito bem o que se estava a passar, o Governo insistia em investimentos pouco seguros ou até despropositados face à nossa situação financeira. Tivemos, aliás, um ministro que em 2008 garantia que a crise já tinha acabado, como tivemos garantias de que estava tudo bem ao longo dos últimos dois anos. E quando o cenário se agravava havia sempre uma desculpa. Ainda há. Além disso, para um partido que se diz reformista e progressista, afastar ministros com a determinação política de Maria de Lurdes Rodrigues ou Correia de Campos diz muito sobre as suas reais intenções à volta dessas reformas e das suas prioridades. O Partido Socialista não é um partido de confiança. Luzes e barulho à parte, neste congresso deu para perceber isso mesmo. Votar no PS é um erro.


tags: ,

publicado por jorge c. às 08:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 28 de Março de 2011
Patranhas

Uma pessoa nunca deve confiar no Partido Socialista. Não é por mal, nem por nenhum outro motivo que seja passível de ser atribuído como característica de outro partido. Normalmente costuma dizer-se "ah, no PS é só boys", mas uma pessoa sabe que boys são, em rigor, cargos de confiança política para ter a máquina mais oleada e que isso todos os partidos têm. É verdade que uns podem ser mais competentes que outros, mas isso é, como diria um amigo meu, a puta da subjectividade. Noves fora, aprende a nadar companheiro.

O PS não é de confiança porque é um partido que, em última análise, é nihilista, como aquele rapaz no Big Lebowski - these men are nihilists, Donnie, they believe in nothing. É um partido que foi sugando o território ideológico do PSD e consequentemente o seu eleitorado mais forte que é a classe média que não passou a sua juventude a ler filosofia francesa e não andou estes anos todos enganada com as patranhas de um socialismo que já teve tantas mudanças de narrativa como os Morangos com Açúcar.


tags: , ,

publicado por jorge c. às 13:57
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010
Os tutores da democracia

Uma parte significativa do país é tendencialmente socialista. Digo socialista no sentido que tomou o Partido Socialista e, por tanto, é um eleitorado que sente uma certa obrigação de ser de esquerda, estando no centro e promovendo as políticas do chamado bloco central. Há uma espécie de dogma, ou até conveniência, em se ser de esquerda, em valorizar o factor social, como se os outros partidos fossem avessos a esse mesmo factor. Ainda hoje, parece que ser de direita, mesmo que ao centro, dá mau aspecto e não fica nada bem numa mesa.

O PS ganhou com isto e com a ideia falsa de uma suposta paternidade da democracia portuguesa. Há quem diga até que o Estado se confunde com o PS. Não é uma afirmação totalmente descabida.

Senão, repare-se num certo ruído que por aí anda desde o planeamento da Greve Geral. Ouvem-se vozes próximas do PS que não encontram um grande propósito nesta greve. Chamam-lhe extemporânea ou desadequada. Nós, que achávamos que o socialista de convicção defenderia sempre a força desta manifestação (não falo em direito porque dir-me-iam certamente que "ninguém falou em direito à greve", o que é verdade), ficámos um pouco incrédulos. Mas faz sentido.

É natural que a família mais próxima do PS, que lhe atribui o epíteto de maior partido português, num sentido amplo, não veja com bons olhos a greve em massa contra um governo socialista e confunda esta manifestação com uma espécie de atentado contra a estabilidade do país (económica e política). Porque para este grupo de cidadãos, a estabilidade da sua família política e do seu programa é muito mais importante do que a insatisfação social.

Admito que o tempo para esta greve foi há um ano e meio atrás, quando a Dra. Ferreira Leite avisou sobre os riscos da dívida. Na altura, ninguém ligou. Agora, aqueles que já começam a sentir na pele os efeitos do irrealismo governamental face ao endividamento querem mostrar o seu desagrado. Devem fazê-lo. Independentemente da demagogia sindical, as pessoas não são estúpidas e têm personalidade política suficiente para achar o que devem ou não fazer.

O Estado não é o PS. Temos todos muita pena porque de certo que ia ser um regabofe, mas não é. Em democracia a extemporaneidade da manifestação não existe.

 

 

Nota: Muitas das observações que faço, a grande maioria, partem de um conhecimento empírico e são pura e simplesmente uma opinião. Da minha percepção da realidade nasce uma posição que tento defender em virtude dessa percepção. Não há aqui qualquer pretensão doutrinária.



publicado por jorge c. às 16:55
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010
Esquizofrenia

Neste momento existem dois Partidos Socialistas. Um é consciente e sabe que tem de apelar ao diálogo e à discussão de ideias para não atirar o país para um buraco ainda maior. Esse é o partido de Francisco Assis.

Depois há o partido de homens das cavernas da políticas, gente muito próxima do Primeiro-ministro, aliás, que prefere fazer o contrário daquilo que a outra parte do partido apelava.

Este PS está mais parecido com o PSD do Dr. Menezes do que com outra coisa qualquer.


tags: ,

publicado por jorge c. às 17:41
link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Segunda-feira, 5 de Julho de 2010
foi tudo uma questão de tempo até nos habituarmos que é sempre ao contrário

Sim, já todos sabemos que os salários da função pública serão reduzidos.



publicado por jorge c. às 13:08
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 4 de Julho de 2010
Má gente

Continuemos a recordar Sócrates como ele é para evitarmos ao máximo que pessoas como ele cheguem, de novo, ao poder. Todas as histórias por explicar são senão a prova concreta de que a falta de carácter político tem consequências práticas. E esta circunstância da apresentação do livro de Maria de Lurdes traz essa mensagem no bico. Uma mensagem simples que quer apenas dizer "nós continuamos a acreditar neste disparate e só mudámos de ideias para não perder eleições".

Portanto, é muito agradável quando o eleitor - qual cliente enganado na feira - percebe que o grande ímpeto reformista e corajoso desaparece, mesmo depois de uma atitude intransigente que gerou um desconforto social profundo. O que realmente importa é não perder a figura. Hoje diz-se uma coisa, amanhã outra. Deixou de valer a convicção e a política é agora um jogo de votos em que se ganha e se perde. Má gente.



publicado por jorge c. às 12:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
Grande Porto

Manuel Pizarro dá esta entrevista caricata ao Público onde, entre muitos disparates e pantominices, declara ser favorável a uma fusão das três principais cidades da zona do Porto que incluem a própria cidade, Matosinhos e Gaia.

Manuel Pizarro, como costuma dizer o Dr. Rui Rio em relação a outras questões, está na estratosfera. Só alguém que desconhece em absoluto a identidade destas três cidades pode afirmar algo do género. E isto só para início de conversa. Não faz qualquer sentido afastar as comunidades da sua natureza para as fundir. A identificação com o território é um princípio cultural e civilizacional básico para a maior estabilidade da comunidade.

Com efeito, é em comunidades pequenas e que se identificam com esse território próprio que se encontra a parte substancial da solidificação comunitária. A região do grande Porto pode valer-se como imagem externa como um todo. No entanto, as características individuais de cada cidade é que marcarão directamente o interesse e os pontos de desenvolvimento.

Do ponto de vista administrativo, se já é difícil promover o melhor desenvolvimento de pequenas freguesias espalhadas por estes concelhos, imagine-se numa mega cidade-concelho onde a concentração de poder seria maior, tal como a probabilidade de se deixar as zonas mais pequenas secarem.

O PS no Porto não existe. Como não existe tem estes espasmos para fazer de conta que disse alguma coisa, lançando uma discussão imbecil numa região que precisa de outros tipos de coesão.



publicado por jorge c. às 12:14
link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 7 de Maio de 2010
Evidências

É um disparate demagógico e histérico dizer que Ricardo Rodrigues furtou dois gravadores. É óbvio aos olhos de todos que o que o deputado fez foi tentar condicionar a liberdade de imprensa de forma ilegítima. Trata-se portanto de um atentado constitucional e um facto mais grave que um furto mal contado. É claro que hoje é melhor tentar ir pela questão do furto já que a da liberdade de expressão é banalizada e branqueada pelas forças mediáticas que andam à volta do Partido Socialista. A solidariedade de Francisco Assis é, então, algo verdadeiramente assustador.



publicado por jorge c. às 14:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 22 de Abril de 2010
Maus tempos

Há por aí uma moda de achar que o facto de alguém garantir que vai recorrer a tribunal para se defender de difamação, injúria e afins, significa logo que esse cidadão está inocente. Ora, nem mesmo que a sentença seja favorável ao arguido se pode dizer que é difamatório afirmar que este esteve envolvido em certas actividades visto que, in dubio pro reo, absolve-se a criatura. Isto não significa que não haja factos concretos e provados que aproximam aquela pessoa de certo envolvimento menos transparente e que põem em causa, no caso de se tratar de uma figura com responsabilidades políticas, a sua posição ética perante o organismo que representa.

 

Esta conversa toda para dizer que esta notícia sobre o dr. Ricardo Rodrigues já não espanta ninguém. O deputado do PS, para além dos truques que usa para branquear os resultados das comissões parlamentares que integra, para além da sua conduta medíocre em relação aos outros deputados com um moralismo absolutamente hipócrita, tem o desplante de participar activamente na comissão de ética. O que lhe falta, em rigor, é vergonha na cara, coisa que já deve ter perdido há muito tempo.

 

Quando surgiu a história do igualmente execrável António Preto, a opinião pública não teve dúvidas na acusação que lhe foi feita, mesmo antes deste ser julgado. No entanto, em relação ao deputado socialista há um silêncio cúmplice que chega a ser assustador. Não posso deixar de notar que a conversa da insídia e do ataque pessoal, tão amplamente divulgada por José Sócrates, resultou tão bem que agora qualquer coisa que aconteça aos senhores do Partido Socialista é um ataque pessoal. Estamos a ser complacentes com esta gente por causa de uma guerra civil política - larvar, como disse e bem Irene Pimentel -, de uma necessidade de certas elites se manterem na mó de cima protegendo o partido que lhes garante conforto ideológico e emocional e ignorando voluntariamente aquilo que deve ser a característica fundamental de um deputado - conduta ética irrepreensível.



publicado por jorge c. às 17:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar


Um blog de:
Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com
pesquisa
 
arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

tags

todas as tags

blogs SAPO
visitas
subscrever feeds