Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

11
Fev11

O Cisne Branco

jorge c.

Quando Tchaikovsky compôs o Lago dos Cisnes, fê-lo com a intenção de criar uma tragédia, mais do que um simples drama, tal como lhe fora encomendado pelo Bolshoi. Esta é a altura de grande crescimento do ballet nas artes do espectáculo. Havia que colocá-lo ao lado do Teatro e torná-lo sublime e transcendente. Para o compositor russo, essa função colocar-se-ia não nos momentos mais trágicos da peça, mas sim nos mais delicados, porque seria precisamente da fragilidade que nasceria a hipótese da perversão.

O mais difícil na vida é ser o cisne branco correndo sempre com uma imagem cândida sob a ameaça de um cisne sedutor e, lá está, perverso. Concorrer com o lado obscuro dos outros é, à partida, uma derrota certa que causa uma frustração tão grande na mais profunda das bondades que a tragédia se torna o final mais evidente. Esta relação clássica entre o bem e o mal está presente na cultura da maioria das civilizações. As relações amorosas são sempre uma boa solução para metaforizar essa disputa, pois a elas está naturalmente agregado o núcleo mais instintivo das emoções, mas não são o problema em si.

Em Black Swan (2010), Aronofsky dá a essa disputa uma face unilateral que cria em si mesma um dilema. Deixa de haver dois lados e a problemática está apenas numa personagem que se debate com os seus próprios demónios. Julgo estar tudo numa frase de Thomas Leroy (Vincent Cassel): "The only person standing in your way is you". Sendo que a tónica é esta, Aranofsky vai explorar todo o universo possível á sua volta sem se concentrar muito numa única causa do dilema. O realizador percebe bem que os problemas psicológicos são muito alimentados pela sociabilização e que isso será condicionante de comportamentos futuros.

Assim, não são só os elementos estéticos ou a brilhante prestação de Portman que fazem deste filme um soco no estômago. As tensões criadas com a sonoplastia reforçando a tendência persecutória ou a própria disposição da narrativa, sempre muito nebulosa apesar da aparente evidência, dão a este filme uma grandeza que exige alguma sensibilidade.

Nina (Natalie Portman) não está ali para ser o Cisne Negro. Ela está ali para ser o Cisne Branco, a sua fragilidade, os seus dilemas e as consequências da sua corrupção.  Nina não quer ser o Cisne Negro, ela quer conseguir executá-o e, nessa necessidade de ser o que não se é, ela vai agudizar uma dor antiga que estava ali escondida, mas que, no fundo, sempre existiu - um cisne branco que acumula demasiados demónios. Porque é nessa existência escondida que está a natureza do filme e é isso que o torna absolutamente belo.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D