Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

25
Abr11

A esperança que a democracia tem

jorge c.

A solução encontrada pela Presidência da República para a celebração do 25 de Abril em cerimónia solene foi muito bem conseguida. Sem Assembleia da República, era urgente marcar este 37º aniversário do 25 de Abril com uma cerimónia simbólica e forte. Era, por isso, de esperar que os discursos dos ex- Presidentes e mesmo o do Presidente se centrassem no momento sui generis da democracia em que nos encontramos.

De um modo geral, todos os discursos foram conduzidos pela mesma narrativa, apesar de diferenças significativas na sua gestão entre passado, presente e futuro. E é precisamente no momento actual que todos convergiram numa mensagem de cidadania e responsabilidade de todos, uma mensagem clara para uma democracia regenerada e revigorada. Talvez daí ter sido transversal a ideia pessoana de uma consciência de nós próprios e do que queremos fazer de nós.

Neste sentido, o discurso de Jorge Sampaio tem o brilhantismo da leveza e da serenidade, da lucidez do compromisso e da assunção dos erros. Sem dramas. Mas será necessária uma nova atitude, diz Sampaio. E essa atitude passará sempre por uma restauração da confiança para que possamos crescer consistentes. Também Sampaio se deixou convencer pelo problema do défice. A vida foi secada pelo défice e agora é preciso uma solução. Ironias do destino.

A tónica da integração europeia foi de Mário Soares que, num discurso competente, mostrou um quadro evolutivo da nossa existência em democracia e que passa hoje, fundamentalmente, por uma existência europeia. A cidadania europeia, coisa em que muitos ainda não pensam, é essencial para uma adequação mais justa e equitativa das regras, para uma maior solidariedade europeia. Para Soares, a crise cresceu dessa falta de solidariedade.

Eanes voltou um pouco ao mote de Sampaio, no sentido da autoconsciência. No entanto, concentrou-se mais na ideia de responsabilidades passadas, na "passividade cívica", na irresponsabilização individual e política. Foi também o único a lembrar os perigos da demagogia num contexto tão difícil. No fundo, foi um discurso muito semelhante ao de Sampaio na sua natureza, mas com um tom negativista que se afastou de todos os outros e que talvez tenha pecado por esse tom excessivamente negro.

É interessante ver como tudo isto traça o nosso perfil. Entre a saudade e a esperança, entre a culpa dos outros e a nossa própria culpa. Cada um a seu jeito, com raros movimentos de equilíbrio. Porque responsabilidade é a palavra que nos consome e que nem sempre sabemos o que fazer dela. Ela está ali, existe, nós sabemos isso e usamo-la em proveito próprio.

Salta também do discurso de Ramalho Eanes a ideia de um consenso político alargado que irá servir o discurso de Cavaco Silva. Ficou no ar se esta ideia pretende ser uma mensagem para os partidos se entenderem formalmente ou para deixarem apenas quezílias menores de lado. Mas o Presidente não insistiu e preferiu transmitir outra mensagem que pairou em todos os outros discursos: a ideia de que há gente capaz e competente, de que há uma esperança e um futuro, de que podemos ter cada vez mais mérito. E tudo isto só pode crescer e melhorar com uma cidadania forte e com o exercício exemplar da mesma, desde o voto ao caminho comunitário, feito de esforço colectivo. A História, lembrou Cavaco, existe para nos superarmos. No fundo, hoje como nunca, está nas nossas mãos.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D