Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

09
Jun11

Les jeux sont faits

jorge c.

Das causas e consequências das legislativas que deram a vitória ao PSD já se disse tudo e mais um par de botas, certamente. Vai ser interessante observar as movimentações dos apoiantes que tentam influenciar a opinião pública de ambos os lados - governo e oposição. O relativismo em questões de princípio fascina-me mais do que o Deer Hunter.

Sabemos para já que "o estado em que o PS deixou o país" is the new black. Também sabemos que "a maior crise financeira dos últimos 80 anos" vai ser substituída pela "crise política com consequências gravíssimas para o país que se estão agora a manifestar". Quatro anos disto. Vai ser giro. Ainda não começou e eu já estou com vontade de ir lá fora fumar um cigarro e tomar um cafezinho, como o bom funcionário que mal senta o rabo na cadeira já está a caminho da porta outra vez. A ideia da rotina cansa-nos mais do que a rotina em si mesma.

O clima de desconfiança que paira sobre a classe política é um fruto do que se passou nos últimos seis anos. Não há inocentes. Os partidos e os seus mais ferozes apoiantes transformaram o debate político de uma democracia em crescimento num jogo irresponsável de soundbites sem conteúdo e de ruído fútil. A facilidade com que se descredibilizam certas personalidades, o desleixo e a insensatez com que certas personalidades se deixaram descredibilizar ou até a falta de um pensamento estratégico com que se olhou para a política nacional nos últimos anos corrompeu a opinião pública. E o triunfo do sectarismo, da propaganda e da contra-propaganda dominaram a acção, prevalecendo sobre o interesse público.

Não se pode pensar um partido político em democracia sem estratégia. Não há estratégia sem comissões políticas e trabalho colegial. Vencer eleições internas dos partidos pelo culto e pelo combate da personalidade vai influir nas lideranças e enfraquecê-las na sua função nuclear. É precisamente neste ponto que a democracia representativa ganha fragilidades que a põem em xeque perante a opinião pública e que crescem movimentos de descontentamento que colocam em causa a natureza do nosso sistema democrático.

Com efeito, depende da forma como encaramos tudo isto a sobrevivência de um regime que é, aparentemente, consensual. Depende, acima de tudo, da forma como nos mantemos fieis a convicções e princípios e não a um símbolo que pouco representa os seus, sequer. Contra o relativismo marchar, marchar.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D