Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

16
Fev13

we can't rewind we've gone too far.

jorge c.

O CEO da SoundCloud cresceu num mundo em que se ensina a criar necessidades a partir das fragilidades nas personalidades. Talvez por ter crescido nesse mundo em que a linguagem do negócio e a dos conteúdos nem sempre converge, lhe tenha escapado uma canção que fez muito sucesso quando a Mtv dominava o mundo.

 

 

"Faz do teu negócio um sucesso". Mesmo que seja irrealista e ignorante, o gestor moderno sabe que as tendências se moldam, se transformam e que é possível influenciar pelo valor da marca. São coisas que foi lendo nos livros de auto-ajuda para os negócios, de forma a evitar uma depressão ou - sabe-se lá - a felicidade real. No entanto, como tudo na vida, a evolução dos meios tem uma lógica. Ora, essa lógica é que os consumidores querem estar dentro do conteúdo. 

No século XIX e no início do século XX, a música que conhecíamos era a que estava à nossa porta. A única coisa que circulava eram os músicos ou as partituras. O som, por si, não. Com as gravações, a música foi transportada para uma nova fase e o acesso aos seus conteúdos originais cresceu.

O vídeo veio dar ao mundo a imagem do artista tal como ele queria ser visto. Uma imagem trabalhada e produzida tal como o som. A televisão passou a ser o maior divulgador de música.

No final dos anos 90, a internet era já a ferramenta mais eficaz na divulgação de música e artistas. O All Music Guide, por exemplo, conheceu o seu maior sucesso mundial online. A maior e mais qualificada enciclopédia de música do mundo ganhou notoriedade que nunca teve com a edição em papel. Por sua vez, o Youtube trouxe a possibilidade da selecção de conteúdos que se mostrara impossível na televisão.

É certo que novos formatos surgirão e que novos meios terão a capacidade de abranger melhor a intenção artística dos autores e o voyeurismo dos fãs.

Mas é preciso não esquecer que hoje o consumo recai sobre o mediatismo e não sobre o valor da música. E é aqui que Ljung está enganado. Ele pode inverter a tendência da necessidade por uns tempos. Ganhará o seu quinhão. Mas nunca conseguirá resolver o grande problema da desvalorzação da música, da desculturização das massas em prol de um lucro ganancioso e irresponsável. Fomos longe de mais. 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D