Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

28
Mai10

A decadência também é moderna

jorge c.

 

A temática pode chatear. Estamos a perder demasiado tempo a falar disto. Mas já vimos a força que a modernidade e o progresso têm num governo à deriva. Em poucos dias a histeria da aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo levou os activistas lgbt e alguns lóbistas a saírem pelos media fora e a acelerar o passo daquilo que para eles é o avanço da civilização e o renascer do homem novo. Nem os mais sensatos nesta questão, que costumam ser os calculistas de serviço - "uma coisa de cada vez que é assim que se faz real politik" -, escaparam ao histerismo progressista e fracturante. Encheram o peito com uma suposta vitória e acharam-se em condições de dominar o mundo.

 

 

Vejamos esta e esta notícia e mais este post do Vasco Barreto sobre uma declaração de Sérgio Vitorino.

 

Como podemos ver, na primeira notícia é perceptível o nível de desorientação civilizacional a que se chegou. Vale tudo. A alteração de nome anterior à mudança de sexo constitui um dos maiores atentados à diferenciação de género a que assistimos nos últimos tempos. Será lógico, sequer? É que nem cientificamente, nem moralmente e muito menos juridicamente. Não há aqui um fundinho de lógica. As consequências de uma tal alteração da lei são mais do que óbvias nos três campos de que falei.

 

A segunda notícia e as declarações de Sérgio Vitorino espelham um pouco aquela que é a mentalidade do activismo lgbt. Para além do lado provocatório, que é preferível ignorar para evitar argumentos que saiam de um espectro aceitável, temos também a tendência gradual das reivindicações. A forma como se propõe arrasar o entendimento geral de matrimónio com as suas responsabilidades, a sua perpetuidade tendencial, a sua natureza monogâmica, enfim, com todo o instituto é, agora, bastante evidente.

 

Esta ideia de derrubar esse instituto burguês que é o casamento fica, então, bem clara com a equiparação das Uniões de Facto ao Casamento (tema a que voltarei mais tarde). A prevalência dos direitos perante os deveres e a luta para que isso seja uma realidade denotam a inconsciência da reivindicação e o - esse sim - burguesismo da mesma. Para além de se ignorar o direito e a sua natureza, ignoram-se também as consequências sociais relativamente à auto e hetero-responsabilidade em nome de um fanatismo relativista que convenceu um homem sem qualidades.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D