Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de maus costumes

Manual de maus costumes

07
Jun10

A bem do Progresso: diabolizar!

jorge c.

Para defender o progresso, não se sabendo ao certo o que isso significa, a esquerda utiliza uma táctica política de rua muito eficaz: a diabolização. Ao longo dos anos essa táctica vai-se tornando cada vez mais perfeita e enraizada nessa particular mentalidade do "ser de esquerda". É uma espécie de teoria da conspiração típica das extremas, mas mais sofisticada. Um jornalista, um colunista, um artista, um político, ao assumirem-se como de direita, em Portugal, poderão estar a pôr o seu bom nome em causa. Ser de direita corresponderá automaticamente a ser nojento, um pulha, um canalha, etc, etc. A não ser que se seja a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo, da interrupção voluntária da gravidez, da eutanásia, da adopção por casais homossexuais e utilizador frequente de palavrões (eu sou, estou safo). Ou seja, para a esquerda moderna, próxima do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, ou entre os dois, uma boa pessoa de direita é uma pessoa de esquerda.

As principais vítimas desta maldição nos últimos tempos foram Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite. Ninguém lhes tirou o rótulo de conservadores monstruosos que queriam fechar o país dentro da Santa Madre Igreja e queimar o resto das pessoas. Disseram-se coisas inenarráveis, truncaram-se afirmações, insultou-se, criaram-se boatos de bastidores e especulou-se (tipo agências de rating) sobre hipotéticas más intenções. Enfim, diabolizou-se de tal forma a imagem destas pessoas que, a certa altura, até parecia real. Não acredito que alguém num estado de lucidez razoável fique convencido disso. A verdade é que não parece haver um estado de lucidez razoável nestas coisas. Se por um lado temos a geração castrada de Abril sempre à procura da igualdade absoluta entre homens e minhocas, reivindicadora dos direitos das sereias, por outro temos a esquerda mais moderna que pretende proceder a uma alteração estratégica das elites e a quem convém mudar o sentido da opinião pública (em abstracto).

Acontece que essa diabolização não tem correspondência na realidade. A direita portuguesa é uma direita social. Não tem qualquer comparação com movimentos políticos extremados. Mesmo a direita católica é bastante moderada, tendo ainda em conta que nos últimos 30 anos aguentou com "os beatos", a "padralhada", entre muitos outros epítetos simpáticos que, como bons cristãos, devem aceitar sem piar. Há uma espécie de Verdade à esquerda, um dogma anti-religioso e politicamente preconceituoso.

O que não se compreende, e chega mesmo a ser paradoxal, é como é que a esquerda defensora de Abril não aceita uma ideologia política contrária e como é que à falta de melhor confrontação ideológica recorre à banalidade da diabolização, ao insulto e aos atentados fictícios de carácter. Começa a ser preocupante e deixa de ser apenas patético.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Um blog de:

Jorge Lopes de Carvalho mauscostumes@gmail.com

Links

extensão

  •  
  • blogues diários

  •  
  • media nacional

  •  
  • media internacional

    Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D